A atuação exemplar de Fábio do Vale nas vias acadêmicas e culturais

Prof. Fábio do Vale – Foto: Arquivo Pessoal

Professor, escritor e pesquisador, natural de Campo Grande-MS, o jovem intelectual professor Fábio Pereira do Vale Machado transita entre a vida docente em colégios e universidades de Campo Grande, a pesquisa acadêmico-universitária e também a esteira artística de escritor. Assim, com atribuições expressivas nos segmentos: universitário, pré-vestibular, colegial e cursos preparatórios, Fábio possui Graduação em Letras, licenciatura; Mestrado em Letras – literatura brasileira, pela UEMS – Universidade Estadual/MS; é Pós-graduado, especialista em docência no ensino superior; Pós-graduado, educação especial (TGD): transtornos globais de desenvolvimento e altas habilidades/superdotação; Pós-graduado em neuropsicopedagogia. Recentemente publicou os livros autorais: O Refém do Abandono (romance) e Candelabro Poético (poemas). Membro da UBE-MS, foi diretor de cultura desta entidade no mandato 2018/2020, deixando a diretoria para dedicar-se à vida acadêmica. Doutorando regular pelo curso do Programa de Pós-graduação em Estudos de Linguagens na UFMS – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, onde é membro do Núcleo de Estudos Culturais Comparados (NECC) sob a orientação do professor Edgar Cézar Nolasco.

Prof. Fábio do Vale é pesquisador de crítica biográfica fronteiriça – estudos fronteiriços na América Latina, epistemologias do Sul e descolonialidade. Em atividade coordenativo-acadêmica, é membro pesquisador associado do CLAEC – Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura, onde também é coordenador do evento internacional: Latinidades – Fórum Latino-Americano de Estudos Fronteiriços: Cultura, Arte, Literatura e Educação. Em sua vida docente, ele nutre culturalmente seus alunos delineando com sabedoria a perspectiva humanista-educativa em sala de aula. Por buscar dirimir os ensinamentos educacionais engessados, Fábio constrói no espaço escolar a reflexiva postura dialético-comportamental que corrobora sempre para que seus alunos e orientandos sejam provocados ao tom natural da liberdade de expressão, aos desígnios da ética, moral e civilidade.

Pela UFMS, o jovem pesquisador batalha nas vias acadêmicas cívico-culturais, abordando em sua tese do Doutorado a relevância emergente da identidade latino-americana como tomada primária na condição latina que tanto se discute no bojo célebre da ciência pela teorização descolonial. Também por esses contrapontos de sala de aula, Fábio do Vale compõe em suas tessituras pedagógicas o apreço pela cultura regional, sempre enaltecida nas suas ações e atividades culturais. Outrossim, aplicando sua lídima capacidade como pesquisador, ele regulamenta suas bagagens epistemológicas da vida acadêmica condicionando-as efetivamente para seus alunos em alvo expositivo-contributivo.

Mato Grosso do Sul passa a ganhar um profissional e pesquisador que (re)pensa as diretrizes da cultura contemporânea, estendendo-se à América Latina como contribuinte acadêmico nos eixos-fronteiriços descoloniais, o que demonstra amplamente seu potencial para decodificar a proposta moderna vigente em nosso continente. Destaque em suas atividades profissionais, professor Fábio tão logo no próximo ano tornar-se-á doutor pela distinta Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, que escolheu, sem titubear, para que sua proposta do entrecruzar fronteiriço pudesse ser pensada desde os matizes estéticos trabalhados em sua tese e artigos, até a esfera (des)pensada da figura bugresca que muito nos representa em MS ao doce toque memorável da tradicional guavira, a “uva do cerrado”. Assim como a consagrada instituição federal universitária de MS, Fábio do Vale tem buscado realçar a cultural regional na extensão nacional e internacional latino-americana.

Recentemente foi convidado pelo ilustre professor doutor Daniel Abrão, da UEMS, para – como professor visitante – contribuir na disciplina de Itinerários Culturais II: cultura nacional e regional, o que demonstra sua capacidade profissional debruçada ao valor cultural e acadêmico.

Suas obras literárias mais recentes:

  1. O romance “Refém do Abandono” (Ed. Letra Livre) desenvolve-se num enredo em dinâmico contexto espaço-temporal, em narrativa fluente, na terceira pessoa, objetiva, linear, e com considerável dosagem de criatividade, configurando aspectos existenciais e nuances do cotidiano (experiências mundanas) que, na verdade, transmitem mensagens de determinação, altruísmo, renúncia, abnegação e, mormente, ao final, a incerteza, o viés dramático e o sabor da tragicidade advindos da faceta inexorável do destino. É a obra um convite altivo à reflexão, especialmente diante da intrigante circunstância/cena (fatalismo transcendental?) no desfecho desta história, que deixa no ar uma essência proposital de continuidade e conjeturas;
  2. “Candelabro Poético” (Ed. Life) é uma eclética coletânea de poemas autorais: textos exprimindo um eu lírico que passeia por diversas expressões simbólicas, velando as faces das palavras e revelando lumes do imaginário, sempre denotando lúcida sensibilidade e, em certas vezes, seguindo a estrela-guia das fontes históricas e/ou tecendo homenagens, poetizando pessoas. Assim, com místico e sugestivo título, esta obra enaltece a revelação do ato criativo, ao tempo em que reitera em vários pontos o sentimento de desvelo do autor para com o fazer poético, como no primeiro poema do livro: Luzeiro que parte do cais / a céu aberto, rimas em sinais. / na claridade noturna em tom de sol, / ritmada sonoridade do aceso objeto, um farol… / trompa em deslizes da noite. / por estes versos minha boca eu abro (…)”. E, adiante, ele timbra esta proposital identificação “que satisfaz distintamente a sua voz” e lhe proporciona abrigo e segurança num exercício simultâneo de crença/confiança e busca da plenitude existencial, pois sabe que quem segue a poesia não fica nas trevas: “Sou devoto dos meus versos intencionados, pois com eles encontro equilíbrio (…)”.

Eclético e competente, Fábio Pereira do Vale Machado engrandece a educação e a arte/cultura de Mato Grosso do Sul e do nosso país.

*Rubenio Marcelo é poeta escritor e compositor, membro da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo