Saiba as diferenças entre visto de turista e de estudante

Quem está planejando viajar para o exterior sabe que as preocupações vão além do preço do dolar hoje, das reservas de hotel e da passagem de avião. Um dos procedimentos mais importantes de toda viagem internacional é a retirada do visto.

Esse procedimento, inclusive, deve ser feito antes mesmo da compra de moedas e reservas de avião, por exemplo.

Mas os países possuem uma infinidade de categorias de visto. Há vistos para trabalhadores temporários e para os que são transferidos para a filial estrangeira, por exemplo. Estudantes que vão ficar longos ou curtos períodos e turistas também têm categorias próprias.

Dois dos mais procurados são os vistos de turista e os de estudante. Não sabe bem as diferenças entre eles? Nós reunimos as principais características de cada um para você não perder tempo quando for solicitar o seu.

Foto: Divulgação

Por que há diversas categorias de visto

As categorias de visto se diferenciam, principalmente, pelo objetivo da viagem a ser realizada. Ou seja, se você tem um visto de estudante, você poderá ficar no país por um tempo determinado para desempenhar a função de estudante. Você tem direitos e deveres enquanto discente.

Se você tem um visto para trabalhar, você é autorizado a ficar no país para trabalhar e deve cumprir as suas obrigações, inclusive seguindo a legislação trabalhista do lugar.

Visto de turista

Como dissemos, cada país possui a sua própria regulamentação para a retirada de vistos. Mas vamos tomar como base os Estados Unidos que, além de ser um dos destinos mais visados pelos brasileiros, é também um dos mais rígidos no aceite de estrangeiros.

O visto turístico americano é o menos burocrático, ou seja, ele não requer tantos trâmites legais como os de outras categorias. Tem duração de 10 anos, então, se você obtém o visto em 2019, até 2029 você não precisa pedir novos vistos na embaixada americana, podendo fazer suas viagens normalmente.

Mas ter duração de 10 anos não significa que você pode ficar no país por todo esse tempo. Pelo contrário, enquanto turista, há um limite de 6 meses para ficar no país.

Subcategorias do visto turístico

Existem duas subcategorias. O turístico do tipo B1 é destinado para viagens de negócio, ou seja, se você é um empresário e vai ter que viajar muito para os Estados Unidos, pode optar pelo B1.

Já o B2 é o visto turístico clássico, aquele procurado por quem quer passear ou então fazer um tratamento médico nos Estados Unidos.

Como retirar o visto de turista

O primeiro passo para retirada do visto é preencher um formulário chamado DS-160, um documento oficial de solicitação da obtenção do visto. Com ele em mãos, é necessário agendar um horário no Centro de Atendimento ao Solicitante de Visto (CAVS).

No CAVS, são recolhidas as digitais da pessoa e feita uma foto que serão enviadas para o consulado. Somente depois deste procedimento é que o turista comparece ao consulado para uma pequena entrevista. É nesta etapa que o visto será liberado.

Visto de estudante

O visto de estudante é um dos mais burocráticos para se obter e também um dos mais demorados. Isso porque, primeiro de tudo, o solicitante deve ser aceito em uma instituição de ensino. Pode ser um colégio (ensino fundamental ou médio) ou uma universidade.

É importante pontuar que, para ser um estudante estrangeiro, o curso deve ter duração de mais de 18 horas semanais.

Outra observação importante é quanto à duração. O visto de estudante dura, geralmente, um pouco mais do que o tempo do próprio curso.

Subcategorias de vistos de estudante

As subcategorias dos vistos de estudante são estabelecidas de acordo com a instituição de origem do curso e mesmo com o tipo de curso. Então, se for uma universidade nos EUA, o visto é do tipo F1. Se for um curso em uma empresa, por exemplo, o visto é o M1. O J1 é concedido para pós-graduandos, por exemplo.

Visto de estudante: procedimentos necessários

É a instituição de ensino que envia um formulário para a pessoa preencher. Esse documento se chama I-20 e, além dele, o requerente também deve ter o DS-160.

O futuro discente também deve recolher uma taxa chamada de SEVIS, que é destinada ao Sistema de Estudantes Intercambistas dos Estados Unidos. O valor oscila entre U$ 180 e U$ 200.

Só depois de preencher esses formulários e pagar essas taxas é que o requerente pode se encaminhar ao CAVS para o recolhimento das digitais e da foto. Depois disso, é encaminhado para o consulado onde o trâmite é concluído.

Agora que você já sabe melhor sobre cada visto, pode começar a arrumar as malas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo