Conheça a ilha fantasma criada pela Mitsubishi que virou cenário para filme do 007

Hashima atrai um grande público de turistas interessados pelo jeito pós-apocalíptico

A ilha de Hashima lembra um encouraçado quando vista por cima (Foto: Wikicommons/Reprodução)

A ilha de Hashima lembra um encouraçado quando vista por cima (Foto: Wikicommons/Reprodução)

Localizada na baía de Nagasaki, a ilha Hashima foi estabelecida em 1887 pelo grupo Mitsubishi. O mega conglomerado de empresas construiu uma mini cidade para servir de abrigo a todos os funcionários envolvidos na exploração submarina de carvão, essencial para movimentar as máquinas e gerar energia no período de industrialização da era Meiji, um período de progresso nunca visto no país.

Cercada por um resistente muro quebra-mar, Hashima é também chamada de Gunkanjima pelos japoneses, ou ilha encouraçado, uma vez que lembra um navio de guerra quando vista de cima. Há uma nota sombria sobre o lugar: foi lá que os japoneses usaram mão de obra escrava chinesa e coreana para fazer o duro trabalho de mineração, algo que cessou após a derrota do país na Segunda Guerra Mundial.

A visita de turistas foi permitida novamente em 2009 (Foto: Wikicommons/Reprodução)

A visita de turistas foi permitida novamente em 2009 (Foto: Wikicommons/Reprodução)

A mineração foi abandonada em 1974, após as reservas naturais de carvão se esgotarem. A população, que chegou a ter mais de cinco mil pessoas, deixou rapidamente a ilha. E o que ficou virou ruína ao longo das décadas.

As visitas públicas ao lugar foram proibidas a partir da data de fechamento e saída dos habitantes. E assim ficou até 2009, quando foram reabertas as visitas. Sempre de barco, claro. Há algumas companhias que fazem o trajeto.

Não é qualquer pessoa que pode acessar o complexo. Um exame de saúde é necessário, afinal, o mar ao redor é dos mais bravos. Somado a isso, as condições climáticas são igualmente duras. Além disso, cadeirantes não podem visitar o lugar por causa da falta de adaptação.

Blocos de apartamento e prédios da administração foram tomados pelo mato (Foto: Wikicommons/Reprodução)

Blocos de apartamento e prédios da administração foram tomados pelo mato (Foto: Wikicommons/Reprodução)

À essa altura, Hashima virou atração instantânea para aquele tipo de turista que curte lugares urbanos abandonados, exemplo de Chernobyl e de Fukushima, onde um acidente nuclear em uma usina fez com que a cidade e arredores fossem abandonados em 2011.

Os mais de 40 mil metros quadrados incluem prédios residenciais abandonados e outras instalações necessárias para suprir todas as demandas de uma população respeitável.

Como a conservação ficou abandonada, as ruínas foram retomadas em parte pela natureza. O que só aumentou o ar pós-apocalíptico do lugar. Hashima foi até cenário do 007. Lançado em 2012, o filme Skyfall tem belas cenas filmadas em meio aos destroços. Nada melhor para formar mais um cenário exótico da série. Porém, as filmagens mais detalhadas foram feitas em… Macau, antiga colônia portuguesa nas proximidades de Hong Kong.

O muro quebra-mar é essencial para evitar as ondas de Nagasaki (Foto: Wikicommons/Reprodução)

O muro quebra-mar é essencial para evitar as ondas de Nagasaki (Foto: Wikicommons/Reprodução)

De tão interessante, a ilha Hashima virou patrimônio mundial da Unesco em 2015. Mas não sem ter atraído uma polêmica mais do que justa por ter sido um lugar de trabalho escravo, uma ferida aberta para coreanos e chineses, entre outros povos.

Foto: Wikicommons/Reprodução

Foto: Wikicommons/Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo