Xamã Matrix Energia é campeão da 71ª Regata Santos-Rio

Barco do Iate Clube de Santos fez a Fita Azul e ainda venceu nas classes ORC e VPRS no desafiador percurso de 200 milhas náuticas

Xamã Matrix larga na frente (Aline Bassi / Balaio de Ideias)

São Paulo (SP) – O Xamã Matrix Energia é o vencedor da 71ª Regata Santos-Rio nas classes ORC e VPRS. O barco do Iate Clube de Santos (ICS) concluiu o percurso de 200 milhas (cerca de 360 km), na Baía de Guanabara, na madrugada deste domingo (24) após 37h29m20 de navegação. A tripulação do comandante Sergio Klepacz foi também a Fita Azul da competição, primeira a cruzar a linha de chegada.

As embarcações do Iate Clube do Rio de Janeiro (ICRJ), Avohai (Lars Grael) e Maestrale (Adalberto Casaes) ficaram em segundo e terceiro lugares na VPRS, respetivamente, com as posições invertidas na ORC. Considerando-se as demais classes (BRA RGS, RGS Clássicos, Mini Transat e Bico de Proa), a Santos-Rio, prova de abertura do Circuito Rio, reuniu 30 barcos. A competição oceânica seguirá de 30 de outubro a 02 de novembro.

Antes da conquista inédita, a tripulação do Xamã tinha justa noção do potencial do barco. “Quando compramos o barco e começamos a utilizá-lo em regatas ficamos surpresos. Percebemos que tínhamos um canhão nas mãos. Nosso tripulante Tinah (Paulo Henrique de Jesus) foi o responsável pela reformulação do Xamã. Estreamos na Santos-Rio em 2020. Sofremos, mas ficamos em segundo lugar”, destacou o comandante Klepacz.

Xamã antes da largada (Aline Bassi / Balaio de Ideias)

Fomefrio e água na cara – “No ano passado, caçamos gente no clube para completar a tripulação. Neste ano, diferentemente, treinamos a equipe e estávamos preparados para escorar, tomando vento e água na cara. A disciplina a bordo, quase militar, fez a diferença, e o sacrifício de passar frio e fome foi determinante para a vitória”, comemorou Klepacz. A última vez em que o ICS havia feito a Fita Azul na Santos-Rio foi em 2012, com o Chroma.

O comandante ainda elogiou o desempenho do Xamã Matrix Energia. “Cientes de que o barco nos oferece plenas condições de velejarmos em segurança e com eficiência, desde o tiro de largada agimos com força e perseverança. Estamos muito felizes e orgulhosos por representarmos o ICS, que nos dá todo apoio necessário”, concluiu o vencedor da Santos-Rio.

A 71ª edição da regata oceânica mais tradicional do País, atraiu medalhistas olímpicos e campeões mundiais como Lars Grael, Kiko Pelicano e Maurício Santa Cruz. Vice-campeão com o Avohai, Lars atingiu neste ano a expressiva marca de 20 participações na Santos-Rio. “É um desafio que se renova a cada ano. Posso afirmar que a definição mais precisa, mais uma vez, é de que foi uma regata dura e exaustiva”, disse o ganhador de duas medalhas olímpicas ao desembarcar no ICRJ.

Avohai, de Lars Grael (Aline Bassi / Balaio de Ideias)

Na terra, no mar e no ar – As diretorias dos iates clubes de Santos e Rio de Janeiro se empenharam ao máximo para garantir o sucesso da 71ª Santos-Rio. “Vivenciamos mais uma experiência gratificante com a Santos-Rio. No mar, os velejadores fizeram a parte deles, escolhendo a melhor estratégia para cruzar a linha de chegada no menor tempo possível”, observou o vice-comodoro do ICS, Jonas Penteado.

“Por iniciativa dos dois clubes (ICS e ICRJ), realizamos o desfile dos barcos pelo Canal de Santos, antecedendo a largada, momento abrilhantado pela participação da Esquadrilha da Fumaça. Promovemos a integração da regata com a população de Santos, que compareceu em número expressivo ao Deck do Pescador, na Ponta da Praia, para ver de perto a passagem dos veleiros, identificados assim como seus tripulantes na apresentação ao vivo do evento”, enalteceu Penteado.

A 71ª Regata Santos-Rio contou com as parcerias de Zimarine, Propspeed, Boat Premium e Heineken e com apoios da Marinha do Brasil, responsável pela escolta e segurança dos veleiros nas 200 milhas; da Autoridade Portuária de Santos, que interrompeu o tráfego dos navios mercantes no estuário durante a largada; e da Força Aérea Brasileira, que disponibilizou os caças da Esquadrilha da Fumaça.

“Para finalizar, quero agradecer aos velejadores, pois sem eles não haveria regata. A todos os participantes e em especial aos vencedores, meus cordiais parabéns. Não poderia deixar de enviar também uma saudação especial à tripulação do Xamã que, defendendo as cores do Iate Clube de Santos, conquistou não só a Fita Azul, como primeiro barco a chegar no Rio, mas venceu ainda nas classes ORC e VPRS, ou seja, fez barba, cabelo e bigode, como se diz na gíria esportiva”, enfatizou o vice-comodoro do ICS, Jonas Penteado.

Tripulação feminina do Criloa (Aline Bassi / Balaio de Ideias)

71ª Santos-Rio – Classe ORC

1 – Xamã Matrix – Sergio Klepacz (ICS)

2 – Maestrale – Adalberto Casaes (ICRJ)

3 – Avohai – Lars Grael (ICRJ)

4 – +Bravíssimo – Luciano Secchin (ICES)

5 – Ventaneiro – Renato Cinha (ICRJ)

Classe VPRS

1 – Xamã Matrix – Sergio Klepacz (ICS)

2 – Avohai – Lars Grael (ICRJ)

3 – Maestrale – Adalberto Casaes (ICRJ)

4 – +Bravíssimo – Luciano Secchin (ICES)

5 – Minna – Elisa Mirow (ICRJ)

Classe BRA RGS*

1 – Dona Bola – Ricardo Tramujas (ICRJ)

2 – Beleza Pura 2 – Felipe Ferraz (Ubalegria)

3 – Áries III – Marcos Pereira (ICRJ)

*Sujeito à confirmação.

Bico de Proa

OKA – André Coutinho – (Bracuhy-RJ)

OBS: Há barcos que seguem em regata.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo