ACICG é contrária à implantação do passaporte da vacina na Capital

A Associação Comercial e Industrial de Campo Grande (ACICG) se manifesta contrária a criação do passaporte da vacina, medida que refletirá na obrigatoriedade de os estabelecimentos comerciais exigirem dos clientes a comprovação vacinal contra a Covid-19 para frequentarem presencialmente suas empresas.  Caso seja implementada, a proposta proibirá as pessoas que não tomaram as duas doses do imunizante de estarem em espaços de grande circulação.

Representando mais de 8 mil empresas, a entidade defenderá seu posicionamento nesta segunda-feira (27 de setembro), às 14h, na audiência pública sobre o tema no Plenário Oliva Enciso da Câmara Municipal de Campo Grande.

Na visão da ACICG, o passaporte da vacina terá impacto sobre o comércio, restaurantes, bares, shoppings e outros estabelecimentos empresariais e atividades econômicas com grande público, penalizando mais uma vez as empresas, que já foram muito prejudicadas na pandemia.

Não concordamos que os estabelecimentos passem a exigir uma comprovação de vacinação para deixar apenas um grupo de pessoas entrar, isso fere princípios legais individuais. Não é papel do setor empresarial fiscalizar se os clientes tomaram ou não a vacina. Além disso, desde o início da pandemia o comércio sofreu com diversas medidas restritivas que desestimularam o consumo, afetaram a manutenção dos postos de trabalho e levaram ao encerramento de várias empresas. Campo Grande já ultrapassou a marca de 70% de toda a população vacinada contra a Covid-19, não podemos retroceder no processo de retomada econômica com esse tipo de exigência”, afirma Renato Paniago.

O presidente da ACICG esclarece ainda que a entidade apoia a vacinação como solução importante para vencer a Covid-19. “E mais: desde o início da pandemia, reforçamos e divulgamos ser essencial o cumprimento das medidas protetivas e os protocolos de biossegurança, como o uso de máscara, álcool gel, distanciamento social, sejam cumpridos por toda a sociedade. O comércio vem fazendo a sua parte na luta contra a Covid-19! Por isso, pediremos aos representantes do legislativo municipal que não sigam com essa proposta”, complementa Paniago.

A adoção do passaporte da vacina está prevista no projeto de lei nº 10.244/21, que institui o Programa Municipal de Incentivo à Imunização contra a Covid-19 e estabelece que apenas os indivíduos que completaram o ciclo vacinal de imunização tenham acesso aos locais de grande circulação, espetáculos artísticos, culturais e esportivos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo