A favor da Vida

Ações de caráter preventivo da LBV ajudam famílias a lidar com suas emoções durante a pandemia

Num cenário composto pela perda de entes queridos por graves problemas de saúde, baixa autoestima, depressão, fragilidade dos vínculos familiares, problemas financeiros, desemprego crescente, isolamento social, dificuldades de acesso aos direitos, bem como a própria violação destes, são alguns dos motivos que tornam desafiador manter a resiliência no enfretamento das adversidades.

Foto: Divulgação

Esse contexto afeta, de diferentes formas, milhares de famílias em todas as classes sociais. Conforme o estudo “One Year of Covid-19”, realizado pela Ipsos para o Fórum Econômico Mundial com 30 países, 53% dos brasileiros acreditam que seu bem-estar mental piorou um pouco ou muito desde o início da pandemia.

Àqueles que se encontram em situação de vulnerabilidade social o desafio tem um peso maior. Dona Teresa, 73 anos, vive com seu esposo e três netas, e todos sobrevivem com apenas uma aposentaria: “a gente passa por tudo quanto é necessidade e não pode ir em lugar nenhum”. Além dos desafios financeiros, e da perda de cinco familiares por conta da Covid-19, ela precisa lidar com diversos problemas de saúde, chegando a tomar cerca de 12 comprimidos diariamente: “fico muito nervosa e agitada quando não tem dinheiro para comprar os remédios, fico apavorada. [Além disso] a gente também precisa de uma verdura, de uma carne e não tem, é um desafio muito grande”.

A Legião da Boa Vontade (LBV) tem como premissa o caráter preventivo, ajudando na valorização e defesa da Vida: “realizando ações informativas e reflexivas como forma de conscientização das famílias atendidas. […] estimulando e desenvolvendo rotinas mais saudáveis e com a inclusão de atividades que elevem a sensação de bem-estar, agindo assim, como um fator protetivo”, declarou Suellen Guollo, psicóloga da Instituição em Criciúma/SC. Ao serem identificadas demandas, os profissionais da entidade realizam uma escuta qualificada, identificam os riscos e realizam o encaminhamento de casos para uma equipe de saúde mental especializada na Rede de Saúde local.

Para psicóloga Daniela Ainhoren, que atua em Porto Alegre/RS, o momento de falar da dor é importante, assim como é indicado que essa escuta seja feita em um local adequado de terapia individual e com um profissional da área: “é delicado abordar assuntos sensíveis assim à distância porque dependendo de como se aborda, se torna perigoso. Por isso, é essencial um acolhimento e acompanhamento contínuo e de confiança”.

É fundamental reforçar em casa os cuidados que são necessários quando identificada uma situação que indica um grave sofrimento emocional: “permaneça atento e disponível a ouvir sem julgar, acolha e oriente a buscar atendimento especializado”, indicou Michelle Lisboa, psicóloga da LBV em Fortaleza/CE.

Saber que não está sozinho e que existe uma Rede de Apoio também é fundamental no momento de sofrimento. De acordo com Felipe Laud, coordenador do Centro de Valorização da Vida (CVV) em Porto Alegre/RS, falar sobre o que se sente é fundamental e ajuda a desanuviar: “a ideia é que as pessoas se acostumem a falar um pouco mais sobre o que estão sentindo e que não precisem guardar angústias. Que possamos nos acostumar a falar dos nossos sentimentos e entender o que se passa dentro ([de nós])”. Inclusive, indica que todos possam “parar um pouco e sair do automático” para perceber como está se sentindo e assumir quando precisa de ajuda e assim buscá-la: “o CVV está aí, gratuitamente pelo 188, como esse suporte emocional para oportunizar esse espaço de fala, é para qualquer pessoa que queira falar sobre aquilo que está sentindo, não necessariamente só para quem pensa em suicídio”.

Vale ressaltar a importância de olhar para os sentimentos dando a atenção necessária para que se tenha uma ressignificação das experiências de forma positiva. Um exemplo disso são as rodas de conversas e atividades remotas que acontecem à distância com psicólogas da LBV em todo o Brasil. Todos os profissionais atuam de forma preventiva, oferecendo apoio e assegurando o acesso ao acolhimento e tratamento necessário das famílias atendidas.

Nesse mês, em que é celebrado o Setembro Amarelo reforçamos o assunto que é abordado incessantemente o ano todo na Legião da Boa Vontade: a valorização e luta pela Vida, convidando os atendidos a refletirem sobre as adversidades, entretanto, mostrando o caminho de como lidar com as emoções.

Para aqueles que se encontram em um grande sofrimento emocional, dona Teresa, atendida pela LBV deixa um recado: “mantenha a esperança! Levante a cabeça, tenha fé e não se entregue, se não fica pior as coisas, tenha força para vencer essa luta. É melhor defender a vida e procurar alguma ajuda”.

Vale ressaltar que todas ações realizadas pela Legião da Boa Vontade podem ser conferidas no endereço @LBVBrasil no Instagram e no Facebook. Para doações acesse www.lbv.org.br ou faça uma transferência bancária via PIX pelo e-mail: pix@lbv.org.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo