Câmara de Comercio do Brasil em Nova Iorque abre pauta de discussão sobre Perspectivas Econômicas e Cenário Político o Brasil

Paulo Vieira da Cunha – Foto: Arquivo Pessoal

A Câmara de Comercio do Brasil em Nova Iorque, nos Estados Unidos (EUA), reúne no próximo dia 29 de julho, um notável grupo de economistas e cientistas políticos para discutir esses temas em nosso “Brasil: Perspectivas Econômicas e Políticas para o Meio do Ano”. A pauta de discussão será a situação do cenário do brasil atualmente e as perspectivas políticas pós- Bolsonaro.

Estarão presente para apresentação deste comitê:

Paulo Vieira da Cunha, Sócio, Verbank Consulting, LLC

Drausio Giacomelli, Chefe da EMResearch, Deutsche Bank Securities

Caixas de som:

José Carlos Carvalho, Sócio e Economista-Chefe, Vinci Partners

Christopher Garman, Diretor Executivo para a América Latina, EURASIA Group

Zeina Latif, Diretora, Gibraltar Consultoria

André Loes, Diretor Executivo, Morgan Stanley

Shelly Shetty, diretora administrativa, Fitch Ratings

Apesar de um esforço conjunto que vacinou mais de 40% da população (15 pontos acima da média mundial e quase o dobro da cobertura em vários países), o Brasil ainda luta para domar a pandemia. Embora em tendência de queda, as infecções e baixas permanecem elevadas, aumentando o impacto sobre a economia e as contas fiscais. A polarização política está aumentando, com pesquisas mostrando o antigo Presidente   Lula como o favorito para vencer o Bolsonaro. A recuperação da atividade reafirma a resiliência da economia, mas a tendência de crescimento subjacente continua decepcionante.

Câmara de Comercio do Brasil – Foto: Divulgação

Além disso, uma sequência de choques de oferta (preços dos alimentos e do petróleo, uma seca que limita o fornecimento de energia elétrica e o torna muito mais caro e o aumento da aversão ao risco que desestabilizou o câmbio) estão impulsionando a inflação para além da meta em 2021. Consequentemente, a taxa Selic pode aproximar até 7% para domar as expectativas de inflação para 2022. Embora as contas fiscais gerais melhorem este ano a partir da queda de 2020, as projeções do Gabinete de Orçamento do Senado (IFI) prevê em déficits até 2024 e um nível inflexível de dívida do Setor Público Bruto em relação ao PIB se aproximando de 90%. Taxas de juros mais altas e crescimento mais baixo podem elevar ainda mais a trajetória da dívida.

Para os investidores, o desempenho da montanha-russa e a possibilidade de aumento da volatilidade à medida que as eleições se aproximam são uma preocupação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo