Luisa Stefani perde para favoritas nas oitavas do WTA 1000 de Roma, na Itália

Tenista paulistana, 26ª do mundo, e a norte-americana Hayley Carter caíram diante da dupla cabeça 2 e campeã de Madri na semana passada

São Paulo (SP) – A paulistana Luisa Stefani e a americana Hayley Carter foram eliminadas, nesta quinta-feira (13), nas oitavas de final do WTA 1000 de Roma, na Itália, torneio da série que só perde em importância para os Grand Slams e que distribui 1,5 milhão de euros em premiação.

Luisa, 26ª do mundo, e Hayley perderam das tchecas Barbora Krejcikova e Katerina Siniakova, campeãs do WTA 1000 de Madri, na Espanha, na semana passada e cabeças de chave 2, por 6/2 6/3.

Luisa terá algumas semanas de descanso antes de Roland Garros (Divulgação)

“Duro jogo hoje. Apesar do placar foi muito nos detalhes, tivemos várias chances de quebra, perdemos muitos 40 iguais o que dificultou e elas abriram bastante o placar. Eu não saquei muito e pequei nos voleios, que é o que faço de melhor. Devolvi bem e a gente lutou bastante até o final. Até o fim acreditávamos que poderíamos virar, é questão de um ponto ou outro que fazem a diferença nesses jogos”, disse Luisa, que tem o patrocínio do Banco BRB e os apoios da Fila, CBT, HEAD, Saddlebrook Academy, Tennis Warehouse e Liga Tênis 10.

“Agora vamos ter algumas semanas de descanso, vamos recuperar mentalmente e fisicamente. Tem sido uma gira longa e cansativa e vamos tirar coisas positivas e que aprendemos desse último mês para chegarmos firmes em Roland Garros”, finalizou.

Carreira – Luisa Stefani, 23 anos, nascida em São Paulo (SP), mora em Tampa, na Flórida (EUA), treinando na Saddlebrook Academy. Cursou a universidade americana de Pepperdine, onde jogou o circuito universitário por alguns anos. Se destacou e optou por trancar a faculdade para disputar o circuito profissional integralmente a partir de meados de 2018. Ganhou destaque nas duplas e começou a colher resultados já em 2019, conquistando um título no WTA de Tashkent, no Uzbequistão, e o vice-campeonato em Seul, na Coréia do Sul, em outubro, com sua então nova parceria, a norte-americana Hayley Carter, terminando o ano perto das 70 melhores do mundo.

Em 2020, conquistou o WTA 125 de Newport Beach, na Califórnia e chegou às oitavas de final do Australian Open. Após a quarentena, comemorou o título do WTA de Lexington, nos Estados Unidos. Terminou o ano como a 33ª do mundo, primeira brasileira no top 40 em mais de três décadas. Começou 2021 com a final no WTA 500 de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, alcançando o top 30 – a primeira brasileira desde 1976 – e chegou à segunda decisão em Adelaide e à terceira em Miami, torneio da série WTA 1000. O vice-campeonato em Miami permitiu que Luisa subisse para a 25ª posição no ranking, o melhor de uma brasileira na história desde que o ranking WTA foi criado em 1975. Como juvenil, também foi destaque, conquistando vitórias em Wimbledon e tornando-se Top 10.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo