Luisa Stefani está confiante para a Billie Jean King Cup contra a Polônia

Tenista paulistana, 25ª do mundo, atuará nas duplas neste sábado (17) ao lado de Gabriela Cé, em Bytom, no piso duro e coberto, diante de Kania e Falkowska

Luisa treina na Polônia (Adam Nurkiewicz / Divulgação)

São Paulo (SP) – A paulistana Luisa Stefani, baseada na Saddlebrook Academy, na Flórida (EUA), disputa neste sábado (17) a partida de duplas pelo Brasil na Billie Jean King Cup, a antiga Fed Cup, maior competição de países do mundo. Luisa, que esta semana subiu ao seu melhor ranking, para 25ª lugar, atuará ao lado de Gabriela Cé no duelo contra a Polônia, fora de casa, em Bytom, na Polônia, sobre piso duro e coberto. A partida contra Paula Kania e Weronika Falkowska será a última dos cinco jogos do confronto do playoff, que vale vaga no Qualifiers para as finais em 2022. A equipe terá em simples Laura Pigossi e Carol Meligeni Alves e é capitaneada por Roberta Burzagli.

Luisa soma oito vitórias em nove partidas de duplas na BJK Cup em dez confrontos. “Muito animada e confiante com o time. Temos treinado muito bem. As condições estão ótimas, a superfície é diferente, não só para gente, mas para as polonesas também. Isso neutraliza bastante as condições. Não tem nenhum torneio que já joguei com uma quadra parecida. Não ter torcida também neutraliza. O confronto vai depender mais de entrar em quadra e deixar o jogo rolar”, afirmou Luisa, que tem o patrocínio do Banco BRB e os apoios da Fila, CBT, HEAD, Saddlebrook Academy, Tennis Warehouse e Liga Tênis 10.

“Nossa química e união estão muito legais essa semana. Todas animadas e confiantes, curtindo os momentos, tanto dentro quanto fora da quadra nas horas vagas. Essa é a energia que precisamos numa semana de BJK Cup. Pode ser que eu jogue a partida mais importante, decisiva, ou um jogo que não conte. Espero que as meninas consigam ir bem e dar conta do recado, mas estarei superpreparada caso necessite e é uma das coisas mais legais que eu sinto no esporte, jogar por equipe e poder ter esse feeling. Tenho ótimas lembranças da competição e essa não será diferente. Vamos que vamos e tudo vai dar certo”, completou a tenista

Após a Billie Jean King Cup, Luísa seguirá para a disputa do WTA 500 de  Stuttgart, na Alemanha, que começa nesta segunda-feira (19). Em seguida, jogará os WTAs 1000 de Madri e Roma e o Grand Slam de Roland Garros.

As duas parcerias que jogam no sábado (Adam Nurkiewicz / Divulgação)

Carreira – Luisa Stefani, 23 anos, nascida em São Paulo (SP), mora em Tampa, na Flórida (EUA), treinando na Saddlebrook Academy. Cursou a universidade americana de Pepperdine, onde jogou o circuito universitário por alguns anos. Se destacou e optou por trancar a faculdade para disputar o circuito profissional integralmente a partir de meados de 2018. Ganhou destaque nas duplas e começou a colher resultados já em 2019, conquistando um título no WTA de Tashkent, no Uzbequistão, e o vice-campeonato em Seul, na Coréia do Sul, em outubro, com sua então nova parceria, a norte-americana Hayley Carter, terminando o ano perto das 70 melhores do mundo.

Em 2020, conquistou o WTA 125 de Newport Beach, na Califórnia e chegou às oitavas de final do Australian Open. Após a quarentena, comemorou o título do WTA de Lexington, nos Estados Unidos. Terminou o ano como a 33ª do mundo, primeira brasileira no top 40 em mais de três décadas. Começou 2021 com a final no WTA 500 de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, alcançando o top 30 – a primeira brasileira desde 1976 – e chegou à segunda decisão em Adelaide e à terceira em Miami, torneio da série WTA 1000. O vice-campeonato em Miami deixou Luisa na 26ª posição no ranking, o melhor de uma brasileira na história desde que o ranking WTA foi criado em 1975. Como juvenil, também foi destaque, conquistando vitórias em Wimbledon e tornando-se Top 10.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo