Resistência cultural: coletânea literária “Águas d’ilê” nasce em meio à pandemia

Livro, que será lançado no dia 15 de janeiro, reúne 18 contistas de diversas cidades brasileiras, entre eles escritora de Campo Grande

Em meio a uma pandemia mundial, sem precedentes, nasce a antologia literária “Águas d’ilê”, inspirada na força feminina e matriarcal negra representada por Oxum. A obra, organizada pela escritora e atriz Cristiane Sobral e pelo artista visual Ricardo Caldeira, reúne narrativas de 18 contistas, com formações diversas e de várias cidades brasileiras. Entre eles, Sarah Muricy, de Campo Grande. O lançamento do livro, do selo editorial Aldeia de Palavras, será no dia 15 de janeiro, em uma live transmitida pelo Instagram: www.instagram.com/cristianesobralartista.

Livro ‘Águas D’Ile’ – Foto: Mirian Bispo

A coletânea está dividida em três capítulos. Em cada escrito, transbordam achados interiores, ancestrais que procuram estratégias de bem viver além do cristianismo, do patriarcado e do capitalismo. Os autores discursam sobre afeto, matriarcado, racismo e oralidades no espaço social comum, em sua maior parte a partir de uma perspectiva ancestral africana e indígena.

Com o tema central “Águas d’ilê”, o livro é um convite para que as pessoas mergulhem em histórias e vivências, conforme realça a escritora, organizadora da antologia, Cristiane Sobral “A água abundante na esfera planetária é fonte de vida e de expressão. Como trama essencial aqui ostentamos as águas de ler, com uma pluralidade de vozes necessárias que transcendem silêncios seculares com dignidade, reafirmando equidade para existências vilipendiadas, dignas das primazias terráqueas”.

A capa do livro é de Nelson Inocêncio, artista visual e professor do Departamento de Artes Visuais da Universidade de Brasília e membro do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros da UnB. O prefácio é de Luana Reis, doutoranda em Literatura na Universidade de Pittsburgh, EUA, ambos pesquisadores em expressões culturais de matrizes africanas em diáspora.

Livro ‘Águas D’Ile’ – Foto: Denise Costa

Essa obra é resultado de um curso on-line de formação literária que aconteceu durante a quarentena, conduzido pela escritora e atriz Cristiane Sobral. Paralelamente, os participantes tiveram oficina de apresentação profissional e produção gráfica para escritores, conduzida pelo co-criador e diretor de arte do projeto, Ricardo Caldeira. A produção cultural é de Alyne Lima.

Os integrantes da equipe buscam por meio da linguagem poética provocar a sociedade sobre temas sociais, com destaque a luta contra racismo e valorização das pessoas negras. A arte, neste sentido, se torna também instrumento político e de transformação social.

Os escritos da antologia são dos autores: Alyne Lima (Brasília-DF), Cax Nofre (São Paulo – SP), Cristiane Sobral (Brasília-DF), Denise da Costa (Belo Horizonte – MG), Gabriela Furtado (Brasília-DF), Joseane Cantanhede (São Luís- MA), Kátia Rocha (Salvador – BA), Letícia Érica Ribeiro (Goiânia – GO), Mirian Bispo (Sobradinho – DF), Patrícia Aniceto  (Santos Dumont –  MG), Ricardo Caldeira (São Sebastiao – DF), Sarah Muricy (Campo Grande – MS), Sheila Martins (Rio de Janeiro- RJ), Silvia Carvalho (Rio das Ostras – RJ), Tânia Cerqueira ( Salvador- BA), Thalles do Nascimento Castro (Juiz de Fora – MG), Toni Edson (Aracaju-SE) e Viviane Martins (Campos – RJ).

Obra inaugura selo editorial Aldeia de Palavras

A antologia Águas d’ilê inaugura o selo editorial Aldeia de Palavras, de Cristiane Sobral em parceira com Ricardo Caldeira. Um dos objetivos dessa iniciativa é a inserção de novos escritores e escritoras no mercado das letras. Esse é um movimento simbólico produzido no ano em que Cristiane Sobral comemora os 20 anos da primeira publicação nos Cadernos Negros 23, organizado pelo grupo Quilombhoje Literatura (SP). Na época, estreou com o poema “Não vou mais lavar os pratos”.

“A força motriz do projeto nasceu da necessidade de romper silêncios históricos considerando os caminhos estéticos das escrituras e o compartilhamento de experiências no mercado editorial ainda tão restrito para a população negra e periférica, especialmente para mulheres negras”, ressalta Cristiane Sobral.

Livro ‘Águas D’Ile’ (Alyne Lima, Ricardo Caldeiera, Cristiane Sobral e Nelson Inocêncio) – Foto: Divulgação

Sarah Muricy

Na escrita, prioriza abraçar os processos e momentos, as pessoas e coisas. Natural de Barreiras-BA e residente em Campo Grande-MS desde 2008, já grita DO SUL quando o estado de morada é confundido com o vizinho. Escreve desde os 09 anos, incentivada pela professora Tânia, da pequena escolinha 12 de outubro que ficava no bairro onde cresceu – Vila Rica. Desde o princípio da caminhada, o auto convite é de honrar a força da ancestralidade – comunitária e consanguínea – e a ciência do lugar de autoquestionamento que ocupa enquanto pessoa não-preta num país racista.

Nascida no dia da independência (ainda mitológico para a pátria amada), decide trazer a público a escrita que já exercita com os seus desde sempre – apaixonada por dedicatórias, cartas, bilhetes e poemas. Formada em direito e docente de língua inglesa por paixão, faz da troca sua bandeira e da escrita um estilo de vida.

Serviço:

Lançamento virtual do livro Águas d’ilê

Data: 15 de janeiro às 19h

Instagram: www.instagram.com/cristianesobralartista

Valor do livro: R$ 40 – pedido de compras pelo crisobral2@gmail.com ou pelo whatsapp (61) 9 9153-1883 ou (61) 9 9294-5511 (Alyne Lima)

Ficha técnica do livro:

Editora, organizadora, gestora revisora e facilitadora da formação em escrita criativa – Cristiane Sobral

Cocriador, diretor de arte e facilitador da formação em produção gráfica e currículo – Ricardo Caldeira

Desenhos – Nelson Inocêncio

Designer assistente – Weslley Souza

Ficha catalográfica – Bibliotecária Buruku (Nathany Brito Rodrigues)

Correvisora – Kátia Rocha

Assessora de imprensa – Larissa Mantovan

Produtora – Alyne Lima

Assistentes de produção – Micael Amorim e Sarah Benedita

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo