Veja técnicas e exercícios de respiração para aliviar a ansiedade

O estresse financeiro é um problema sério: quando não conseguimos fechar as nossas contas no final do mês, estamos com faturas atrasadas ou precisamos “apertar” o cinto, o nosso corpo começa a manifestar sinais de ansiedade, descontrole emocional, etc.

Para aliviar o desconforto causado pela desorganização financeira, o ideal é adotar hábitos mais saudáveis em relação ao seu dinheiro. Na prática, isso significa criar uma lista de prioridades, riscar aquilo que não é fundamental para a sua vida e manter, sempre perto, relatos sobre os seus gastos.

Foto: Shutterstock

Existem aplicativos hoje que, além de acrescentarem todos os gastos automaticamente em um relatório, permitem que você crie metas de gastos diários, semanais e quinzenais e alertam sempre que você ultrapassa os valores que estabeleceu para você.

Isso é um primeiro passo; o resto exige controle. Se você sente que tem dificuldades para organizar o seu dinheiro ou acha que gasta por fatores emocionais – para se sentir melhor e satisfeito, por exemplo -, talvez seja importante também buscar ajuda especializada.

Dito isso tudo, saiba que existem exercícios que, quando feitos em casa, podem ajudá-lo a lidar com os momentos de ansiedade oriundos de uma série de coisas – inclusive, claro, o estresse financeiro. A seguir, listamos algumas práticas valiosas. Confira.

Conheça o mindfulness

O mindfulness, também chamado de atenção plena, é a prática de estar atento ao momento presente. Isso significa estar consciente de tudo o que acontece: movimentos internos e externos, sons, a cadência da respiração.

Trata-se de uma forma de deixar de lado os pensamentos invasivos, as sensações de incômodo ou ansiedade e as preocupações para, durante alguns momentos, viver plenamente uma situação.

Para quem não tem o costume de meditar, o mindfulness pode ser um pouco difícil de início. É importante persistir, porém: tende a ser mais simples com o passar do tempo, além de prazeroso. Sim, prazeroso! É curioso como aprendemos tanto sobre nós mesmos quando ficamos em silêncio e atentos.

Algumas práticas de mindfulness que podem ajudá-lo na manutenção do estresse são:

Prestar atenção na respiração

Nós respiramos de forma automática durante a maior parte do dia. Exceto em ocasiões especiais, como quando vamos fazer exercícios – como pilates, yoga ou mesmo treinamento de academia -, não nos damos conta do nosso processo respiratório.

O mindfulness propõe que a observação da respiração seja a primeira coisa que você faz ao acordar. Ainda deitado, você deve respirar devagar e conscientemente e, bem devagar, deixar sair a respiração.

Existem variações do exercício: você pode inspirar em 5 segundos, prender a respiração por mais 5 e soltar em 10, por exemplo.

Da mesma forma, caso precise de um relaxamento um pouco mais intenso, você pode respirar pelo nariz por 5 segundos, prender por mais 5 e, então, soltar em 5 a 10 segundos, pela boca. A tendência é que, após algumas respirações, você consiga acalmar a sua mente e até relaxar tensões dos ombros.

Sempre que precisar de um momento de clareza mental e de recobrar o foco e o controle sobre as suas emoções, repita o exercício da respiração consciente. Você ficará surpreso com a diferença que essa pequena atitude fará na sua vida.

Respiração alternada

Uma das técnicas mais comuns para o controle da ansiedade (utilizada também por pessoas que têm ataques de pânico), a respiração alternada permite que as pessoas se concentrem no que estão fazendo, o que é um dos princípios do mindfulness, e deixem os pensamentos invasivos para lá.

Para praticar o exercício, deve-se respirar com uma narina por vez: cubra a outra com o dedo e, então, inspire. Prenda e alterne: a narina que puxou o ar não deve expirá-lo.

Repita o exercício por dez vezes (cada ciclo envolve respirar por uma narina, soltar pela outra, inspirar por ela e trocar para expirar).

Respiração diafragmática e contração

O diafragma é fundamental para o processo de respiração, embora frequentemente esqueçamos que ele existe. Respirar com atenção ao movimento do diafragma nos ajuda a manter a atenção plena no processo de respiração, além de gerar reconhecimento corporal e relaxamento.

Com os ombros eretos e boa postura, coloque uma mão no peito e outra no abdômen. Respire de forma profunda e lenta, acompanhando a entrada do ar pelas suas narinas e a movimentação que ele faz ao adentrar o seu corpo.

Em vez de prestar atenção no peito, veja como o seu abdômen se expande e contrai durante a sua respiração profunda.

Expire o ar pela boca, sempre devagar. Repita a respiração por dez ou vinte vezes, sempre atento ao seu corpo. Pode ser que você boceje; isso é bom, pois pode indicar, além de relaxamento, que você está abrindo mão das tensões físicas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo