O futuro do sono e a revolução de um mercado bilionário

Por anos, muitos setores se mantiveram seguindo um mesmo modelo padronizado, como é o caso do mercado de colchões. A forma de “vender bons sonhos” tinha um formato previsível: espaços majoritariamente brancos e consultores vestidos de jaleco. Apesar desta ser uma tentativa válida de atribuir credibilidade científica ao produto, mudanças no comportamento de consumo fizeram com que isso se perdesse no tempo.

Rafael Moura – Foto: Arquivo Pessoal

A aquisição de um colchão ou de qualquer outro item relacionado ao sono é vista hoje diferente de como era há alguns anos. Atualmente, há uma forte tendência de priorização pelo bem-estar por parte do consumidor. Não à toa, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 45% da população mundial tem alguma dificuldade para dormir, reflexo de rotinas mais corridas, estresse, ansiedade e diversos outros fatores sociais e emocionais.

Diante desse cenário, a indústria do sono passou por uma transformação nos últimos anos. É notória a grande oferta de produtos, que unem tecnologia, inovação e saúde para solucionar um problema mundial. Para se ter uma ideia, o mercado movimentou, globalmente, mais de R$ 360 bilhões em 2019, segundo pesquisa da consultoria MarketData Forecast.

Hoje, cada vez mais a população busca por serviços e produtos personalizados, os quais levam em consideração a característica do sono de cada um. Isso tem contribuído para uma reformulação no que diz respeito também a experiência de consumo. Agora é possível fazer uma análise completa do perfil de cada um dos clientes, indicar produtos que fazem mais sentido para as suas necessidades e garantir uma entrega mais eficiente.

Com essa revolução no mercado, a expectativa é que ainda tenha potencial para causar impactos inimagináveis para o bem-estar da população. E o cenário é positivo para apostar nisso, uma vez que o setor deve crescer mais de 6% ao ano até 2024, e movimentar mais US$ 100 bilhões de dólares até lá, ainda segundo a MarketData Forecast.

Sobre Rafael Moura

*Rafael Moura é fundador e CEO da I wanna sleep, Retail Tech focada em sono e relaxamento. Fundada em 2014 e com entrada no mercado de franquias em 2017, a rede conta com 14 unidades nos estados de São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul. Formado em engenharia agrônoma e de produção, abriu mão de trabalhar na empresa familiar no setor agrícola para empreender. Antes da I wanna sleep, já esteve à frente de três empresas de internet e computação. Moura também foi selecionado dentre 600 empreendedores pela Endeavor para o programa Scale Up BRMalls Partners.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo