Seria a Black Friday, a chance de retomar à economia pós pandemia?

Entenda se é possível retomar o ritmo da economia brasileira pós pandemia com as vendas da Black Friday e como ela afeta os mais diversos segmentos

A pandemia causada pelo novo coronavírus trouxe ao Brasil impactos que foram muito além da área da saúde. O segmento econômico, por exemplo, que já não estava muito bem, ficou ainda pior, e nos últimos meses a notícia de que lojas e empresas estão fechando as portas são recorrentes.

Apesar de o cenário não ser muito favorável, parece que o setor de comércio ganhou uma força a mais nesse final de ano e pretende recuperar parcialmente as perdas com as vendas da Black Friday e do Natal.

Foto: Shutterstock

Muitos investidores ainda estão com o pé atrás em relação a aplicações em ETDs e reinvestimento em dividendos de empresas brasileiras, entretanto, a Black Friday pode ser uma ótima oportunidade para deixar esse medo de lado e investir em empresas, principalmente no E-Commerce.

Pois, segundo alguns dados divulgados recentemente pelo Google, a última sexta-feira de novembro de 2020 promete ser a mais lucrativa de todos os tempos aqui no Brasil.

Desde que a data foi trazida para cá dos EUA há 11 anos, a aceitação pelos brasileiros só tem crescido, e isso faz com que a Black Friday seja um verdadeiro sucesso de vendas.

Boas projeções para 2020

No final de outubro, a Google liberou uma análise de dados sobre a intenção dos usuários em relação à Black Friday. O relatório informa que, segundo o que foi analisado, tudo indica que a data aqui no Brasil será gigante, principalmente para o setor de comércio online.

A análise foi feita a partir da procura dos usuários por microcategorias buscadas na Black Friday.

O volume de buscas somente em outubro foi maior do que o número de buscas e vendas na própria Black Friday de 2019.

Ainda segundo a Google, essa pesquisa anterior à data realizada normalmente informa números inferiores do que os vistos no próprio dia da Black Friday.

Olhos voltados para o e-commerce

Desde o início da pandemia, o setor econômico sofreu duros impactos e muitas lojas e empresas tiveram que se adaptar para não fechar ou falir.

Assim, a grande alternativa do setor foi a migração para o ambiente virtual e, aquelas que já tinham boa presença no e-commerce, investiram ainda mais na plataforma.

Apesar de ficar alguns meses confinados em casa, o público brasileiro não parou de fazer compras, apenas modificou o meio com que fazia isso. Se até mesmo as compras de mês puderam ser feitas via computador, celular ou tablet, não haveria porque essa facilidade não se tornar parte da vida cotidiana.

É exatamente o que está ocorrendo neste mês de novembro com a Black Friday. Diante das medidas de distanciamento social, a falta de vacina e uma possível segunda onda de coronavírus, as empresas estão se preparando para vender mais no ambiente virtual do que em lojas físicas.

Esperança de retomada

Somente no primeiro semestre de 2020, as vendas online no país cresceram cerca de 47% ao mesmo tempo em que inúmeras lojas físicas fechavam as portas, segundo números divulgados por uma pesquisa da Ebit Nielsen.

Assim, a esperança de retomada do aquecimento da economia está totalmente ligada nas vendas do e-commerce no último trimestre de 2020.

Diante de datas altamente comerciais como Dia das Crianças, Black Friday e Natal, especialistas afirmam que o varejo deve apostar todas as fichas nas vendas online.

Para as empresas e lojas que ainda não estão na internet, a hora é essa. Se tornou mais importante que nunca deixar sua marca digital e oferecer serviços e produtos através desse meio.

Black friday antecipada

Apesar de ser inspirada nos moldes da data original norte-americana, a Black Friday que ocorre aqui no Brasil tem suas próprias particularidades e objetivos únicos voltados especialmente para o público daqui.

Ao longo dos anos, a Black Friday vem se moldando ao consumo do brasileiro e algumas mudanças cruciais vêm ganhando força.

Um grande exemplo é a temporada de descontos. Na data original, apenas na última sexta-feira de novembro as lojas lançam mão de promoções arrasadoras e o público aparece em peso para aproveitar. Entretanto, por aqui, já é possível ver grandes e pequenas lojas realizando promoções ao longo do mês inteiro.

Diante da situação de pandemia e enfraquecimento da economia que o Brasil se encontra, essa tendência vem sendo amplamente implementada em 2020.

Com o objetivo de atrair mais consumidores para os preços baixos, aumentar o número de vendas e aquecer a economia, muitas empresas já iniciaram as promoções voltadas para a Black Friday.

Dessa forma, é possível notar que o setor econômico tem boas chances de recuperar as atividades no último trimestre de 2020.

A projeção para as vendas da Black Friday são boas o suficiente para aquecer a economia brasileira no final do ano, a principal diferença é o modo como as vendas devem ocorrer, sendo o e-commerce a forma preferida pelos consumidores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo