As fases do desejo sexual. No sexo também há uma desescalada

Caminhar lado a lado em direção à nova normalidade na sociedade. A desescalada nas relações emocionais e sexo, também fazem parte do processo. Neste súbito confinamento, o único remédio era ficar com os pensamentos e olhar para dentro de si mesmo. Isto acaba gerando muitas mudanças em termos de visão de mundo e relacionamentos.

As emoções colocadas em cheque aumentam uma pressão psicológica e geram uma mistura de sensações e sensibilidade. A incerteza e o medo ao procurar, a princípio, por excesso de informações dos mais diversos tipos, aumenta proporcionalmente a falta de ordem e a desorientação na mente dos indivíduos.

Para todas as consequências do confinamento, antes de tudo por ter relações sexuais após a pandemia, é preciso repensar e considerar o todo antes, durante e depois. O aspecto global da fase pandêmica e da desescalada precisam ser tomados com calma até que todo este estado de ruptura mundial tenha terminado.

Os hormônios continuam a ensinar que a natureza humana busca o sexo como uma alternativa ao estresse e ao relaxamento no seu melhor. Existem pontos de encontro para encontrar a satisfação do desejo sexual nas mãos das acompanhantes de Campo Grande. Entretanto, as pessoas que passam pelas fases de quarentena, sozinhas, disparam em desejos reprimidos de contato físico.

Foto: Divulgação

A pergunta que Skokka faz é: como conter os desejos? Se um ser humano precisa de pele sobre pele, um toque suave de carícias, o sorriso malicioso na paquera e romance e sexo, que tipo de cuidado se deve ter para ter sexo novamente?

A mudança entre o contato com o mundo e entre as pessoas é dada como necessária e essencial no contexto atual. As fases de desescalada estão lá para fazer o mundo funcionar novamente em sua totalidade, embora o que um estado de contenção por um vírus contagioso ensina, é que a calma e a prudência devem ser colocadas em ação.

O desejo sexual e a desescalada

A coisa mais difícil de medir as mudanças atuais é manter a distância social, o que significa distância física entre as pessoas. Embora existam outros tipos de vírus que podem ser transmitidos, a COVID-19 é altamente contagiosa. Não só isso, o fato de ser transmitido pela saliva e como exemplo, foi encontrado embora em pequenas quantidades na urina e nas fezes, contribui para tudo contra o contato mais próximo e, principalmente, dificulta o sexo mais descontraído com as acompanhantes de Rio de Janeiro.

Quando se trata de falar sobre emoções e fazer sexo novamente, a insegurança e o medo de voltar a um estado de alarme que obriga a estar dentro de casa levam a um estado mais elevado de cautela.

Ninguém disse que conter desejos sexuais era fácil. Porém, conhecer a si mesmo e ter mais tempo para conhecer o outro pode ser o segredo para que tudo possa ser levado com mais calma.

O desejo sexual se apresenta de diferentes maneiras. Para os solteiros que não têm um parceiro fixo, os flertes mais frequentes ou para as Escorts de Bilbao, a situação pode ser mais complicada. No momento, a desescalada significa ir passo a passo, um fato que é desconcertante porque ocorre sem um momento em que começa e termina.

Embora todas as recomendações indiquem que os cuidados de higiene são urgentes e vitais para deter a propagação do vírus, o sexo como tal deve ser praticado com muito cuidado e menos opções de técnicas e posições.

Encadernação em tempos de desclassificação

Claramente, há pessoas e pessoas. Cada um lida com a situação de confinamento ou distância de uma maneira diferente. E não há problema em ter todos as dúvidas de uma mente pensante, uma vez que o mundo aparece com uma mudança inesperada.

E no confinamento, alguns acabam satisfazendo desejos com sexting, sexo virtual com as mais belas acompanhantes em São Paulo e estadias românticas on-line. Há inúmeras maneiras de escapar da solidão e fazer de si mesmo uma recompensa por se comportar bem por conta própria.

Foto: Divulgação

Com base no fato de que é melhor esperar para ter sexo em um momento de menos agitação e dúvida, os encontros românticos antiquados funcionam novamente. Depois que a tecnologia veio para apresentar uma diversidade de opções para conhecer alguém como em aplicações de namoro, o flerte e a conquista deram lugar ao sexo sem envolver emoções.

Chega o momento de longas conversas com um copo de vinho com o aquele crush. Os passeios nos parques, os olhares românticos e o encontro e o conhecimento recíproco. As fases posteriores ao confinamento ensinam a demonstração das emoções.

Com o tempo, é melhor estar sozinho do que em má companhia, como dizem. Entretanto, talvez seja hora de repensar as relações sem medo de ceder e viver os verdadeiros romances que tocam o coração.

Ass.: Júlia Santos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo