Exaltar a face cordial da Economia

Há algo errado com a economia vigente. Ao lado de sua face racional, tem de se dispor a cordial, isto é, a inteligência do coração. Em oportunidade não muito distante — esperamos que assim seja —, os corifeus do capitalismo, que sempre se destacaram pelo espírito “pragmático”, irão perceber que a mundialização derrubará todas as espécies de barreiras que lhes serviam de anteparo.

Não mais haverá oceanos que separem continentes. Se os corruptos já se aproveitam disso — e não é de hoje —, que os homens de bem possam globalizar, com maior rapidez, o Amor Fraterno, valendo-se do grande privilégio do regime democrático, que é a liberdade com alto sentido de dever. Portanto, jamais se esqueçam de que a Democracia é o regime da responsabilidade, como a Economia também o é, de forma que venha a existir o equilíbrio no mundo. A força não é solução, nem no curto prazo, muito menos para sempre (…).

Jesus, na Boa Nova, segundo Lucas, 16:8, lamentou que “(…) os filhos do Evangelho são menos perspicazes que os filhos do mundo”.

“Quousque tandem?” (“Até quando”) — continuaria perguntando Cícero (106-43 a.C.) ao criminoso Catilina (108-62 a.C.). Sim, até quando os filhos da Luz serão menos audazes?

 

*José de Paiva Netto ― Jornalista, radialista e escritor.

paivanetto@lbv.org.brwww.boavontade.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo