Comitê Popular promove mesa sobre saúde indígena e a pandemia no Pantanal e Fronteira

Com a histórica participação de Sônia Guajajara, estudiosos dos povos Guató e Camba, procuradora da República, simpatizantes da saúde indígena, representantes indígenas, da SESAI, CIMI e CNBB, definem-se estratégias para a proteção das populações originárias e tradicionais do Pantanal e fronteira.

Elaboração de termo de cooperação no âmbito do Ministério Público Federal para fazer valer o enfrentamento à pandemia junto às populações indígenas do Pantanal e fronteira; formulação de plano de ação intersetorial voltado para os povos originários e tradicionais no Pantanal e fronteira; designação de representante indígena da região de Corumbá e Ladário para a articulação nacional indígena; confecção de projeto a ser executado pelos povos originários da região. Esses são, em síntese, os resultados alcançados de imediato pela mesa de diálogo realizada nesta quarta-feira, 9 de setembro, por meio de plataforma de videoconferência.

Articulação de mais de 30 entidades, movimentos e sindicatos de Corumbá e Ladário, o Comitê Popular de Enfrentamento à Pandemia reuniu a líder indígena Sônia Guajajara, os pesquisadores dos povos Guató e Camba Ruth Henrique da Silva (UFPB) e Jorge Eremites de Oliveira (UFPEL), a procuradora da República Samara Yassine Dalloul, a ex-superintendente da Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI) em Mato Grosso do Sul Regina Célia de Rezende, o técnico da SESAI na região Elson Fonseca de Almeida, o assessor jurídico do Conselho Indigenista Missionário (CIMI) Anderson dos Santos e o secretário-executivo do Regional Centro-Oeste 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) Irmão Sílvio da Silva.

Sob a coordenação da Professora Simone Yara Benites da Silva, facilitadora do Comitê Popular e membro da Marcha Mundial de Mulheres; o apoio técnico do Professor Thiago Godoy, coordenador da Pastoral da Comunicação; e a articulação do Professor Anísio Guilherme da Fonseca, do Coletivo Indígena, e da Professora Cristiane Sant’Anna de Oliveira, do Grupo de Trabalho e Estudos Zumbi (TEZ), a reunião foi bastante produtiva. Ficou evidente a fluidez com que se realizou, sem disputas entre os participantes da mesa que, ao contrário, foram construindo coletiva e solidariamente um efetivo plano de enfrentamento à pandemia, a ser formalizado por meio de um termo de cooperação na Procuradoria da República, em Corumbá.

Ao agradecer, em nome do Comitê Popular de Enfrentamento à Pandemia, o Padre Marco Antônio Ribeiro Alves, coordenador da Pastoral da Mobilidade Humana, a todas as pessoas e instituições que se empenharam na realização do evento, como a Procuradoria da República, salientou o papel dos trabalhadores em saúde que estão na linha de frente e dos pesquisadores e suas universidades, como a Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Universidade Federal de Pelotas (UFPEL) e Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), esta por meio das Professoras Cláudia Araújo de Lima e Elisa Pinheiro de Freitas, cuja generosidade tem permitido respaldar cientificamente as ações proativas do Comitê Popular.

*Ahmad Schabib Hany

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo