Brasileiro não desiste da casa própria e busca por imóveis aumenta na crise

Foto: Divulgação

Aquele primeiro momento, lá no início da quarentena, quando tudo era muito incerto e imprevisível trouxe consequências negativas para praticamente todos os setores da economia e com o mercado imobiliário não foi diferente.

A população precisou se isolar repentinamente e a própria instabilidade econômica fizeram cair a procura assim como as negociações de imóveis. Mas isso foi só no começo. Logo que se estabilizou e se entendeu um pouco mais sobre o processo que iríamos passar, assim como a migração de hábitos para o meio digital fizeram logo a busca por imóveis crescer, principalmente em sites especializados.

O mercado se adaptou e usou a internet para se sobressair. Atualmente, grande parte das transações imobiliárias não são presenciais e nem precisam ser. O cliente pode acessar fotos e vídeos de alta qualidade para ver o imóvel, assim como pode falar com o corretor e realizar transações burocráticas tudo pela internet, sem precisar sair de casa.

Juntando isso com a queda de juros e o déficit imobiliário brasileiro que chega a 7,8 milhões de unidades (dados de 2017) e a própria mudança comportamental da população que deseja ter uma casa ou apartamento ainda mais funcional, já que uma grande parte vai passar a trabalhar em casa em sistema de home office, elevou as buscas e aqueceu o mercado imobiliário mesmo em meio à crise.

Entretanto é preciso entender que, nesse primeiro momento, o brasileiro está atento às buscas, estudos e oportunidades principalmente em relação às condições de pagamento. Houve um aumento nas buscas o que não quer dizer, necessariamente que teremos o mesmo aumento em relação aos negócios fechados pelo menos não agora, mas que já está refletindo sim nas compras, principalmente os negócios que têm como meio de pagamento o financiamento.

Crédito: o grande responsável pelo aquecimento do mercado imobiliário? 

O cenário pode ser ainda de muita incerteza, mas a queda nos juros para movimentar a economia ajudou e muito a aquecer o mercado de imóveis. Isso é o que nos dizem os números: de janeiro a maio desse, o total de financiamentos atingiu R$ 34 bilhões em crédito, alta de 23,2% em comparação a igual período de 2019.

Ou seja, talvez a crise que estamos enfrentando está tirando muita gente de cima do muro e colocando em prática o sonho de ter a casa própria.

Muitas pessoas também veem os imóveis, nesse momento, como uma boa opção de investimento. Isso acontece porque estamos vendo uma baixa rentabilidade da poupança e da renda fixa, além da alta volatilidade no mercado de ações e subida dos preços dos imóveis em ritmo abaixo da inflação.

Do outro lado temos condições de financiamento vantajosas e muitas oportunidades a serem avaliadas. Então se você quer comprar casas em Campo Grande (MS), não é hora de desistir de procurar ou mudar de planos. Muito pelo contrário, é hora de avaliar realmente esta possibilidade, manter os olhos bem abertos a possíveis oportunidades relâmpago que possam surgir.

É sempre válido lembrar que, a compra de um imóvel requer um detalhado planejamento financeiro constando todos os possíveis gastos e taxas extras e ainda não um valor sobrando para uma emergência. E o ideal é ter isso já em mãos, assim fica mais fácil tomar decisões de forma consciente e certeira e também estar mais preparado para boas oportunidades que irão surgir pelo caminho.

Comprando ou não, uma coisa é certa, é hora de ficar de olho e acompanhar a movimentação do mercado, quem sabe será o momento de você conquistar a tão sonhada casa própria?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo