Tratamentos e cuidados com a saúde podem ser mantidos durante a pandemia

Por receio da Covid-19, muitas pessoas deixaram de lado suas consultas rotineiras; especialista aponta telemedicina como maior aliada da saúde nesse momento

Passados mais de 100 dias da divulgação do primeiro caso confirmado da Covid-19 no Brasil, o número de infectados já passa de 700 mil. Para ajudar a controlar a disseminação da doença, muitas cidades implementaram o isolamento social. Com medo de se exporem ao vírus, algumas pessoas deixaram de ir às consultas agendadas e de realizar exames e milhares de pessoas interromperam o acompanhamento médico e o tratamento de doenças crônicas.

A higienização das mãos com álcool gel é importante para prevenir o contágio do Covid-19 (Divulgação)

Para facilitar o acesso ao atendimento médico durante o isolamento, o Ministério da Saúde liberou em março o uso da telemedicina em todo o país, em caráter de exceção, enquanto durar a pandemia. A Dra. Mariana Oliveira Zacharias, médica de família e comunidade que atua em uma clínica de Atenção Primária à Saúde pertencente à Qualirede, conta que o teleatendimento tem sido o maior aliado no acompanhamento aos beneficiários que possuem doenças crônicas. “Pelo monitoramento habitual que realizamos na clínica, percebemos que muitas pessoas estavam com medo de sair de casa para continuar o acompanhamento do diabetes e da hipertensão, por exemplo. A partir dos esforços da equipe multidisciplinar, conseguimos implementar o teleatendimento na rotina de cuidados dessas pessoas, antes pouco adeptas às consultas não presenciais, e restabelecer a continuidade do cuidado”, revela.

A especialista ressalta que, em um primeiro contato, é possível sentir um certo receio, mas que a adaptação tem sido fácil e a satisfação alta. Mariana conta também que a liberação das prescrições à distância facilitou e ajudou ainda mais a evitar a exposição ao vírus, mas lembra que haverá casos nos quais a consulta presencial ou a realização de um exame será indispensável. Nesses casos, a integralidade assistencial da atenção primária também pode ajudar. “Apesar do momento em que vivemos e a necessidade de mais precauções, não podemos nos descuidar dos tratamentos e doenças previamente existentes, por isso contamos com uma equipe multidisciplinar, preparada para orientar e tranquilizar ao máximo aqueles que precisam sair de casa nesse período para cuidar da saúde”.

Importante lembrar que doentes crônicos fazem parte do grupo de risco da Covid-19 e a falta de acompanhamento dessas enfermidades pré-existentes pode debilitar o organismo e deixá-lo mais suscetível a um quadro grave, caso infectado com o coronavírus. “Por isso a telemedicina tem desempenhado um papel essencial na manutenção da saúde das pessoas, diminuindo a exposição do paciente e dos profissionais ao vírus, sem negligenciar queixas e sintomas que podem aparecer nesse período”, finaliza Mariana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo