Para combater a crise escolas oferecem educação financeira para alunos e pais

Foto: Divulgação

Durante a crise de saúde da pandemia do Covid-19 as escolas tiveram que se adequar a uma nova realidade de aulas online, buscando a interação com os alunos, além de lidar com o reposicionamento financeiro dos pais, que precisaram ajustar as finanças a uma realidade de redução de ganhos em muitos casos.

Dentro deste conceito, um tema que está destacando dentro das escolas durante o período nas aulas online e por meio de palestras virtuais, Lives e webinars para os pais é a educação financeira.

“A educação financeira vem se mostrando um grande diferencial para as escolas, pois, quando trabalhada adequadamente, não ensina apenas a importância do dinheiro, mas também a importância de ter sonhos e objetivos para o futuro, e isso é fundamental para os alunos nesse momento”, explica Reinaldo Domingos, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (ABEFIN).

Domingos complementa que o tema também auxilia os alunos a entenderem melhor a situação pela qual os pais estão passando, em caso de crise. “Por tratarmos esse tema de uma forma leve, o entendimento das crianças é maior. São muitas ações relacionadas ao tema, um exemplo simples foi uma ação que realizamos no início da quarentena, incentivando os alunos a desenharem um arco-íris, em um símbolo de que tudo passará”, conta o especialista.

Para os pais

Além dos alunos, uma demanda muito grande está sendo por palestras virtuais, Lives e webinars para os pais sobre educação financeira. “Um exemplo é a empresa de educação financeira DSOP, que anteviu as dificuldades que essas instituições iriam enfrentar com a crise e está se oferecendo para auxiliar os responsáveis pelos alunos com informações que serão decisórias para travessia desse momento”, explica o presidente da ABEFIN.

“Como estão disponibilizando os eventos de forma gratuita, a demanda é muito grande, mas com isso ajudam as escolas e ajudam na missão de auxiliar as escolas e pessoas a passarem por esse momento e fazendo com que os impactos financeiros sejam os menores possíveis para todos” complementa Domingos.

Importância da educação financeira

Mesmo antes da pandemia, esse tema já era necessário, a taxa elevada de inadimplência e de endividamento no Brasil proporciona uma certeza: o Brasil precisa de educação financeira. Felizmente hoje já são cerca de 300 mil crianças e jovens de todo o Brasil estão sendo educadas financeiramente pelo Programa DSOP Educação Financeira nas Escolas.

Atualmente estudos e pesquisas indicam uma mudança cultural, com a conscientização de que o ambiente escolar é o mais propício para o ensino dessa disciplina. Comprovando ainda que a família do aluno também é beneficiada.

“Há quem pense que as crianças não têm discernimento para lidar com finanças”, relata Reinaldo Domingos, “porém notamos que com 4, 5 ou 6 anos elas já reconhecem o dinheiro como um meio para realizar sonhos. Isso nos faz acreditar em uma nova geração de pessoas independentes financeiramente, mais realizadas e felizes”.

A educação financeira não se restringe apenas aos alunos. Os professores são capacitados para dominar e então disseminar o tema, e também os pais assistem palestras e têm acesso a cursos online gratuitos. Dessa forma, a mudança comportamental é trabalhada em toda a comunidade.

Famílias notam resultados

Por conta dos resultados positivos sentidos nos lares, cresce nos últimos anos o número de escolas em todo o país que adotam o Programa DSOP Educação Financeira nas Escolas. Pesquisa indica que 100% das crianças e jovens que recebem educação financeira na escola, participam das discussões relacionadas às finanças da família em casa.

Esse é um dos dados da 1ª Pesquisa de Educação Financeira nas Escolas, realizada em 2017, uma parceria entre o Instituto de Economia da UNICAMP, por seu Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia (NEIT), o Instituto Axxus e a Abefin.

Ela também aponta que a grande maioria (71%) dos alunos que têm aulas sobre o tema nas escolas ajudam os pais a fazerem compras conscientes. A pesquisa foi realizada com 750 pais/responsáveis de cinco capitais brasileiras, Recife, São Paulo, Rio de Janeiro, Goiânia e Vitória.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo