Quais os significados das siglas dos investimentos mais conhecidos?

Os nomes e termos particulares e as diversas siglas, como CDI, FGC, IPCA, PGBL e tantas outras são muito comuns no mundo dos investimentos e podem parecer complexas para aqueles que ainda estão querendo começar no cenário de economia e seus desdobramentos.

Foto: Shutterstock

Assim como qualquer outra área, para investir e saber mais sobre dinheiro, rendimentos e sua forma de trabalho, é preciso conhecimento e muito estudo de mercado e de diferentes teorias para investir na que faz mais sentido para você.

Se você está começando no mundo dos investimentos e está se deparando com diversas siglas, vamos te ajudar! Reunimos algumas das mais conhecidas e seus significados. Confira!

CDI

O termo CDI significa Certificado de Depósito Interbancário e é um dos principais indexadores do mercado financeiro, que acompanha de perto o valor da taxa Selic.

O CDI é muito conhecido para quem aplica em títulos de renda fixa e ele é usado como referência para rentabilidade das Letras de Crédito Imobiliário (LCI), do Agronegócio (LCA) e outras aplicações. O CDI é também a taxa que os bancos utilizam para realizar empréstimos entre si.

Selic

A taxa Selic é uma das mais citadas dentre o mundo da economia e dos investidores e é uma abreviação para Sistema Especial de Liquidação e Custódia. Essa é a taxa básica de juros da economia brasileira e é utilizada diariamente pelos mercados.

A Selic é definida a cada 45 dias a partir de cálculos da taxa média ponderada dos juros praticados pelas instituições financeiras e é um sistema para que haja controle na emissão, compra e venda de títulos

CETIP

A Central de Custódio e de Liquidação Financeira de Títulos, a CETIP é uma conhecida sigla por se tratar de uma instituição integradora do mercado financeiro. A CETIP é uma empresa de capital aberto, que oferece serviços de registro, depósitos, negociação e liquidação de ativos e títulos.

Entre seus clientes estão fundos de investimentos, bancos comerciais, consórcios, entre outros e, para clientes comuns, são prestados serviços como processamento de TEDs, liquidação de DOCs, registro de títulos de renda fixa e ações essenciais para o funcionamento do mercado e investimentos.

FGC

Para aqueles que vão investir em aplicações de renda fixa, uma sigla muito ouvida é o FGC, o Fundo Garantidor de Créditos. O FGC é uma instituição privada que oferece proteção aos clientes em caso de falência, liquidação ou intervenções no banco contratado.

Ele é uma garantia sobre modalidades como poupança, CDB – Certificado de Depósito Bancário, LCI – Letras de Crédito Imobiliário, LCA – do Agronegócio, Letras de Câmbio, entre outros. O FGC permite ao correntista um retorno de até R$250 mil em caso de ocorrências.

IGPM

O IGPM, o Índice Geral de Preços do Mercado, é um importante indicador macroeconômico do país. Ele é uma das versões do Índice Geral de Preços (IGP) e serve para medir a inflação brasileira.

O índice coleta os preços de diversas categorias, como vestuário, transporte e alimentação entre o dia 21 do mês anterior e 20 do mês atual, o conhecido mês de referência, e serve para medir as variações da inflação.

O IGPM serve também de referência para reajustes de valores de produtos e serviços, como os alugueis imobiliários.

IPCA

Assim como o IGPM, o IPCA, Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, serve também para medir a inflação do Brasil. Esse índice é calculado pelo IBGE e é levado em conta pelo governo federal para o cálculo da inflação oficial.

O IPCA abrange famílias com rendimentos entre 1 e 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte dos rendimentos e residentes nas áreas urbanas de 13 regiões metropolitanas do país, entre elas, São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Belém, Fortaleza, entre outras.

COE

Uma sigla que vem se tornado mais comum é o COE, Certificado de Operações Estruturadas, e trata-se de um investimento em renda variável, cuja rentabilidade está atrelada a índices, moedas, ações, inflação e juros.

É investimento que possibilita diversificar a carteira e pode atender desde os investidores mais conservadores até os mais arrojados. Ele não entra na proteção do FGC.

Essas são algumas das diversas siglas e termos importantes no mercado de investimentos. O que você tem estudado e aprendido sobre o tema? Aproveite que agora você conhece mais alguns e entenda o que faz mais sentido para seu perfil investidor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo