Destinação do MPT e Justiça do Trabalho permitirá compra de impressoras 3D para confecção de máscaras

Expectativa é produzir 1,7 mil máscaras que serão distribuídas para centros de saúde e Hospital Nossa Senhora Auxiliadora, em Três Lagoas, além do Hospital Regional de Campo Grande

O Ministério Público do Trabalho e a Justiça do Trabalho reverteram aproximadamente R$ 62 mil para o Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS), campus Três Lagoas, que serão investidos na compra de três impressoras 3D. Os equipamentos produzirão máscaras de proteção facial para instituições de saúde daquele município e para o Hospital Regional de Campo Grande. O recurso é proveniente de ações civis públicas na esfera trabalhista.

As duas primeiras destinações de recurso já viabilizaram a compra da primeira impressora 3D no valor de R$ 18 mil, que será entregue nesta terça-feira (12) ao IFMS-Três Lagoas. As outras duas impressoras, que totalizam R$ 44 mil, estão em fase final de aquisição.

As máscaras de proteção a serem confeccionadas são do tipo Face Shield, compostas por uma coroa e uma viseira/visor longo que cobrem o rosto do profissional de saúde – nariz e boca.

Pesquisa com impressoras 3D

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul (IFMS), campus Três Lagoas, em parceria com a Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Ilha Solteira, desenvolve projetos de pesquisa com impressoras 3D há algum tempo. Com a pandemia e o aumento da demanda por equipamentos de proteção individual, as duas instituições começaram a produzir máscaras Face Shield para doação, porém em número reduzido.

Agora, com a compra das impressoras, será possível ampliar consideravelmente a capacidade de fabricação dos protetores faciais. Juntas, as três impressoras possibilitam imprimir cerca de 80 coroas de protetores faciais por dia. As equipes envolvidas no projeto escolheram o modelo de impressora que apresenta melhores resultados.

A produção na pandemia

Neste período de pandemia, o trabalho de confecção de máscaras faciais tem sido desempenhado por estudantes de pós-graduação e seus orientadores da Unesp de Ilha Solteira. No campus do IFMS de Três Lagoas, a produção será feita por professores e servidores envolvidos no projeto. As demais atividades do instituto estão sendo realizadas a distância.

Com a destinação do recurso pelo MPT e Justiça do Trabalho para a compra das impressoras, o IFMS, como contrapartida, fica responsável por custear os insumos voltados à produção das máscaras, como filamentos de acetato – utilizados para as viseiras, que já foram comprados e entregues. “Tudo será montado e esterilizado para posterior entrega às instituições públicas de saúde”, esclarece Walterísio G. Carneiro Júnior, diretor-geral do IFMS-Três Lagoas.

A demanda pelas máscaras de proteção facial é grande. A expectativa é produzir 1,7 mil equipamentos que serão repassados para centros de saúde e Hospital Nossa Senhora Auxiliadora, em Três Lagoas, além do Hospital Regional de Campo Grande.

O diretor-geral do IFMS destaca que a produção de máscaras será feita enquanto houver necessidade desses equipamentos na região. Após a pandemia, as impressoras 3D serão utilizadas nos projetos de pesquisa e destinadas ao Laboratório de Eletrotécnica, Laboratório de Informática e Espaço Maker no instituto.

Fontes: Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso do Sul e Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo