Enchente: saiba o que fazer com o seu carro antes, durante e depois de ter passado por um alagamento

Separamos algumas dicas para garantir que você não seja pego desprevenido

A falta de visibilidade do asfalto também pode fazê-lo cair em buracos fundos (Foto: Divulgação)

A falta de visibilidade do asfalto também pode fazê-lo cair em buracos fundos (Foto: Divulgação)

São as águas de…fevereiro. O segundo mês de 2020 mal começou e já choveu na cidade de São Paulo 50% do esperado para todo o mês. E o pior: a previsão é de mais tempestades e pontos de alagamentos. A chuva forte só deve parar na próxima quarta-feira (12).

Agora, como saber se o seu carro está protegido? Separamos algumas dicas para garantir que o motorista não seja pego desprevenido. A primeira: se possível, não saia com o carro nestes dias.

Começou a chover forte, a água está subindo. E agora?

Em primeiro lugar, observe os outros carros que eventualmente estejam trafegando pelo local do alagamento. Se a água já estiver ultrapassando a metade da roda, desista de tentar atravessar, pois o risco de entrar água no motor aumenta consideravelmente. A falta de visibilidade do asfalto também pode fazê-lo cair em buracos fundos, danificando a suspensão.

E se eu decidir prosseguir?

Realize a travessia em primeira ou segunda marcha, lentamente, mantendo uma boa distância do carro da frente – o suficiente para desviar dos carros sem precisar parar. Mantenha a velocidade e aceleração constantes para evitar a formação de ondas e a entrada de água no escapamento, que pode ocasionar um calço hidráulico (entrada de água nas câmaras de combustão do motor).

Para quem tem carros automáticos, a dica é deixar o câmbio na posição “1” ou “L” (de Low, que mantém a marcha mais forte – normalmente a segunda – constante sem trocar para a seguinte), caso não haja opções de trocas manuais. Mas fique atento pois nem todos os modelos possuem esse recurso.

Todos os seguros com cobertura compreensiva incluem proteção contra fenômenos naturais (deslizamento de terra, granizo, alagamento e objetos que caíram no carro) (Foto: Divulgação)

Todos os seguros com cobertura compreensiva incluem proteção contra fenômenos naturais (deslizamento de terra, granizo, alagamento e objetos que caíram no carro) (Foto: Divulgação)

Devo desligar o ar-condicionado?

Sim. Desligar o ar-condicionado previne que o sistema sugue água na tomada de ar do motor, o que poderia provocar o calço hidráulico afetando pistões, bielas e virabrequim. Se porventura o veículo “morrer”, jamais tente forçar sua partida. Isto poderia agravar ainda mais os danos que causaram a parada abrupta do motor.

E se a água continuar subindo?

Se estiver parado e a água subir rapidamente, tente colocar o carro (ou parte dele) sobre a calçada para elevar a altura da saída do escapamento. Abandone o carro. Não espere a água chegar à janela, pois pode dificultar a abertura da porta. Procure um lugar seguro e volte quando o temporal terminar.

Deixei o carro estacionado e entrou água no meu carro, o que faço?

A primeira providência a tomar é chamar o guincho e ir direto a uma oficina de sua confiança. Se você tentar dar a partida, a água vai danificar o motor, causando calço hidráulico.

Você precisará fazer um check-up geral e provavelmente deverá trocar todos os fluidos (caso não estejam contaminados), como óleo do motor, da transmissão, dos freios, da direção hidráulica e do sistema de arrefecimento. Filtros (ar, cabine, combustível e óleo) também precisam ser substituídos.

Além da parte mecânica, é importante verificar ainda os sistemas elétrico e de ventilação, além do estofamento, que está sujeito a contaminação por fungos e bactérias em travessias de alagamentos.

Meu seguro vai cobrir o prejuízo?

Depende do tipo de cobertura que você contratou. Todos os seguros com cobertura compreensiva incluem proteção contra fenômenos naturais (deslizamento de terra, granizo, alagamento e objetos que caíram no carro).

A cobertura compreensiva é a apólice completa e é a que a maioria dos brasileiros fazem. Existem outras modalidades de seguros, que oferecem cobertura contra incêndio e roubo, por exemplo, e que não incluem a assistência em casos de danos ao carro devido a chuvas fortes e alagamentos. Portanto, é preciso tomar cuidado porque as outras coberturas não vão proteger o carro contra as enchentes.

Mas tem uma informação relevante: o motorista não pode ultrapassar a área alagada, se ele tentar fazer isso a seguradora não cobre o prejuízo. Outro ponto é para quem vai à praia. Os seguros não cobrem danos por água salgada, apenas água doce. Se você estiver com o carro na areia e a maré subir rapidamente, fique esperto porque, normalmente, não está incluso na apólice.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo