Sonhos Musicais

Ramão Terra e MJ6 no FASP 2019 – Foto: Divulgação

Nestes dias de Batalha Democrática

Estive em minha querida Terra Branca,

Andei pelos bairros, centro e antigo La Barranca…

Convivi com velhos amigos…fui ver jornal na banca….

Na Banca do Nathércio…e lá estava Marileide

Irmã dos primos Joacir, Toni…filhos do Haroldo baliza…

Que dançou com elegância em Grandes Carnavais!

Haroldo no Paraíso e Ângelo no Pingo de Amor…

Mas eles gostavam de todos os cordões

Flor de Corumbá, Cravo…blocos e escolas e suas canções…

Estive na Casa do Músico, cantor e compositor Ramão!

Amigo do Celso Scarcelli e todos da Arte musical…Ramão Terra…

Ouvi suas músicas e seus Projetos de Cultura para a cidade

Um homem que ama a Terra e tem no coração muita felicidade…

Tocou com Badu, Denise, Atagiba, Hélio, Fatinha, Geraldo, Cachingue e todos os músicos e cantores inesquecíveis da cidade…

Afinal estar em Corumbá é respirar poesia, história e arte
é subir nas casinhas da morraria e encontrar poetas!

Neste novo momento da cidade, tenho fé…esta voz da arte

Às vezes, esquecida na cidade será carinhosamente ouvida…

Afinal eles estiveram nesta Batalha Democrática

Com suas vozes, apoios e manifestações a cidadania…

Com certeza serão recebidos por Ruiter e Marcelo Iunes

Dispostos a resgatar a Corumbá de verdade…ouvir suas vozes

Corumbá é assim…Com o sol que nasce e doura o Rio Paraguai

Nascem novos sonhos, poesias,canções e esperança de lindos dias

Ramão Terra…Teus sonhos e Projetos musicais

Com certeza são sonhos também de muitos artistas da Terra…

Afinal você e todos os seus amigos de arte, já fazem parte
da História musical e artística da cidade….

Com o poema de Manoel Vitório, “Sonhos Musicais de Ramão Terra” faço referência a um dos cantores que é lenda viva da música de Corumbá ouso afirmar que a música está para o homem assim como o homem está para a vida. Composições antigas e, no entanto, tão atuais, muitas obras atravessam os anos e retratam os múltiplos sentimentos humanos. Afinal, a música, este conjunto sonoro harmônico e uniforme, se faz presente a cada dia acompanha nossos risos e nossas lágrimas. O gênero regional e as músicas que nos trazem lembranças, porém, ultrapassam as barreiras da palavra. A cada nova execução, o som se envereda por diferentes campos sensitivos. As possibilidades são incessantes. Chegam a evocar reinos incomunicáveis e insondáveis do espírito. E, porque não, da existência?

E assim ocorreu com o Grupo Musical Terra Branca que é um dos principais grupos folclóricos de Corumbá no Mato Grosso do Sul. Em suas letras retrata o povo e costumes pantaneiros. Lembro do Terra Branca representado por: Hélio Ferreira (voz e guitarra), Ramão Terra (voz e guitarra), Marco Aurélio (voz), Adriane (voz), Badú (voz), Nilsinho (teclado) e Eraldo (teclado). Mas também quem não lembra das domingueiras do Ladário Atlético Clube, copo de cuba libre na mão, vestindo uma calça boca de sino, e nos pés um vistoso sapato cavalo de aço e logo vem MJ-6 na memória. Inúmeros músicos de Corumbá e Ladário se destacaram em outras localidades, inclusive em Cuiabá e Campo Grande, tendo antes formado conjuntos em nossa cidade, que animavam os clubes sociais como o Riachuelo Futebol Clube, Corumbaense Futebol Clube, Grêmio dos Subtenentes e Sargentos das Forças Armadas e o hoje Grêmio Cultural e Recreativo, Noroeste, Marítimos, e o Ladário Atlético Clube.

Ramão Terra e o Laércio, hoje estão no Conjunto MJ-6, fundado pelo saudoso Moacyr de Jesus, saindo do seu nome as iniciais do grupo. Mas certamente que assim como em 2014 através da Escola de Samba Caprichosos, toda esta história foi parar na avenida. Com o tema Caminhando juntos em busca de um novo sonho, caprichosamente MJ-6 é o sonho com Letra e Música: João Batista da Silva e Souza (JB) ela dizia “Se pra dançar tenho que andar Caminho Eu!!! (…caminho eu!!!) Sou pescador já tateei o chão!!! (…peguei no chão!!!) A Caprichosos vem trazer lembranças pra vocês!!!Tempos Dourados do meu MJ-6 …e assim vamos vivendo e cantarolando a nostalgia com os olhos voltados para o futuro num misto de saudade e alegria. Assim foi a apresentação nostálgica do MJ6 no Festival da América do Sul Pantaneiro. Que a história eternize os momentos de paz e amor que tivermos.

*Articulista

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo