Conselho discute racismo no Sistema Único de Assistência Social

Criar estratégias para reforçar o combate ao racismo institucional no Sistema Único de Assistência Social. Essa foi uma das principais pautas da Reunião do C-N-A-S – Conselho Nacional de Assistência Social-, realizada nesta quarta-feira, em Brasília. Dados do Ministério da Cidadania apontam que mais de 75% dos usuários da política de assistência social são negros. Segundo a secretária Nacional de Assistência Social, Mariana Neris, a discussão se faz necessária para que os serviços sejam aprimorados e os usuários tenham seus direitos garantidos.

O termo racismo institucional é definido como uma falha de uma organização — pública ou privada — em oferecer um serviço adequado às pessoas por causa da cor, cultura ou origem étnica. Ele também coloca as pessoas ou grupos raciais em situação de desvantagem no acesso a benefícios e a políticas. Por isso, para a presidente do C-N-A-S, Aldenora Gonzales, combater esse cenário no Sistema Único de Assistência Social é uma medida urgente, a fim de criar uma identidade e autonomia dos beneficiários da política.

A representante do Conselho Federal de Psicologia, Célia Zenaide da Silva, palestrou sobre o tema. De acordo com ela, o debate tem de ser permanente.

O tema racismo institucional é abordado também em campanhas do Ministério da Cidadania, a exemplo da mais recente, intitulada – Suas sem Racismo, que tem o objetivo de conscientizar profissionais e gestores da rede de proteção social sobre o assunto.

Ouça aqui (3’10”)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo