Consumo excessivo de cafeína e álcool aumenta a possibilidade de fibrilação atrial em adolescentes e jovens adultos

Embora seja muito mais comum em idosos, a fibrilação atrial (FA) também pode afetar os jovens, principalmente os que consomem frequententemente substâncias psicoativas 1 e bebidas alcoólicas

São Paulo (SP) – A fibrilação atrial (FA), é o tipo de arritmia cardíaca mais comum do mundo2 e leva o coração a bater em um ritmo irregular e descompassado que pode aumentar em cinco vezes o risco de acidente vascular cerebral (AVC)2. A doença é mais comum em adultos, – atingindo principalmente pessoas na faixa dos 65 aos 85 anos2. Porém, adolescentes e jovens adultos estão sendo acometidos pela FA, principalmente por conta do consumo excessivo de cafeína1 e de bebidas alcoólicas.

Uma das substâncias psicoativas mais populares na atualidade, a cafeína, pode ser encontrada em grande quantidade nas bebidas energéticas, em folhas de chás, grãos de café, cacau, entre outros. “Uma vez ingerida, pode estimular o sistema nervoso central e periférico por meio de uma propriedade dopaminérgica, também conhecida como neurotransmissora do prazer1. Por isso, a relação entre a substância e os jovens é preocupante. O consumo da cafeína pode proporcionar uma euforia momentânea, mas que dependendo da quantidade e frequência do consumo, pode aumentar o risco de doenças como a FA”, conta o o cardiologista Dr. Marcelo Goulart Paiva.

Em um adulto saudável, por exemplo, a cada 2,5 a 10 horas o organismo elimina metade da cafeína encontrada no sangue. A população no geral tem sensibilidade que varia de indivíduo para indivíduo quanto aos seus estimulantes1. Dessa forma, com a crescente popularidade das bebidas energéticas entre os jovens, os médicos devem estar cientes do potencial arritmogênico ligado ao seu consumo.

“Além do consumo de cafeína, a FA em jovens também está relacionada a outros fatores como a ingestão de bebidas alcoólicas, principalmente durante os finais de semana. É o que chamamos de ‘fibrilação atrial do feriado’. Outro ponto é a obesidade, pois ela está associada com um aumento de gordura epicárdica, que é um depósito de gordura visceral, localizado entre o coração e o pericárdio, com potencial implicação na saúde cardiovascular”3, complementa o médico. A idade, problemas cardíacos, hipertensão, doenças crônicas – diabetes, insuficiência renal ou doença pulmonar –, e histórico familiar4 também podem estar relacionados ao desenvolvimento da FA.

No Brasil, ainda há um fator que contribui para o diagnóstico tardio e, consequentemente, para a falta de tratamento adequado: o desconhecimento da doença pela população. De acordo com a pesquisa “A Percepção do Brasileiro sobre Doenças Cardiovasculares”, encomendada pela Boehringer Ingelheim em parceria com o IBOPE CONECTA5, 66% das pessoas entrevistadas conhecem as doenças cardiovasculares, como o AVC, segunda causa mais comum de morte no mundo6-7e uma das principais causas de incapacidade adquirida e internações em todo o mundo8. Porém, 63% nunca ouviram falar sobre a fibrilação atrial, doença cujo tratamento é essencial para redizuir o risco de AVC isquêmico e suas possíveis sequelas.

Assim como na grande maioria das doenças, o diagnóstico precoce de FA é um forte aliado do paciente para evitar complicações. “Basicamente, o tratamento age em três frentes: reverter a FA, controlar a frequência cardíaca e impedir a formação de coágulos dentro dos átrios9. E parte deste tratamento consiste no uso de medicamentos para “afinar” o sangue – os chamados “anticoagulantes, responsáveis por reduzir o risco de AVC”, finaliza o Dr. Marcelo.”,

Muitos dos AVCs relacionados à FA podem ser evitados com medicação anticoagulante adequada. O etexilato de dabigatrana, por exemplo, é um inibidor direto da trombina (DTI), enzima-chave da coagulação, usado tanto para prevenção como para o tratamento de doenças tromboembólicas agudas e crônicas10. A pesquisa “A Percepção do Brasileiro sobre Doenças Cardiovasculares”5 revelou também que 47% dos entrevistados com FA não fazem uso de medicação anticoagulante, ficando mais expostos às complicações da doença.

“Este dado pode ser justificado devido à preocupação da classe médica com sangramentos, um dos principais efeitos colaterais dos anticoagulantes”, conta o cardiologista. Porém, já existe um agente reversor de efeito imediato e momentâneo, que age especificamente revertendo a ação de dabigatrana. Segundo o médico, o seu uso é exclusivamente hospitalar. “Trata-se de um medicamento destinado a cirurgias emergenciais ou caso de sangramentos incontroláveis que podem ser ocasionados por acidentes”, finaliza.

Já para prevenir a doença, seja ela em jovens ou idosos, uma recomendação muito importante está relacionada à mudança de estilo de vida. É necessário controlar a hipertensão arterial e os níveis de colesterol, tratar outras doenças cardíacas, fazer uma reeducação alimentar, evitar o consumo exagerado de cafeína, praticar atividades física frequentemente, interromper o tabagismo e restringir o consumo de álcool9.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo