Por que pessoas com câncer precisam de um cuidado especial com as roupas?

Diante de um tratamento oncológico alguns cuidados com as roupas são imprescindíveis

De acordo com um levantamento feito pelo SUS em 2016, o câncer é a segunda doença que mais mata no Brasil, o que significa um alto número de doentes. No país, os tipos de câncer que mais matam são o de pulmão, colorretal (que afetam o colón e o reto) e o de mama.

É válido notar que dependendo da região onde o paciente apresenta o câncer, o tratamento é feito de uma forma diferente, por exemplo, com a radioterapia ou com a imunoterapia.

A quimioterapia, no entanto, continua sendo um dos principais tratamentos desta doença e, por ser altamente invasiva, pode deixar as pessoas ainda mais frágeis e debilitadas.

Uma boa alimentação, exercícios regulares e a utilização de tecidos limpos e confortáveis no dia a dia são alguns exemplos do que pode ser feito para amenizar esse incômodo.

Foto: Divulgação

Dê preferência para roupas mais leves

É imprescindível que os pacientes que estão passando por sessões de quimio ou radioterapia façam uso de roupas que facilitem a transpiração e, principalmente, que não retenham o calor. Tecidos leves, de cor clara, mais soltinhas e feitas de material natural são as ideais.

Tipos de tecido mais recomendados

É recomendado também evitar tecidos sintéticos e dar preferência para peças feitas em algodão, linho ou seda. Outra boa opção é o uso de roupas esportivas, como camisetas e regatas de algodão.

Quais tecidos e cores evitar

Caso o material escolhido seja o sintético, os riscos para os pacientes oncológicos podem aumentar. É que os tecidos não naturais estão mais propensos a permitir a proliferação de bactérias e fungos por conta do impedimento da circulação de ar. Além disso, roupas em tecido sintético estão mais sujeitas a conter componentes químicos que podem causar alergias.

Além disso, o uso de vestimentas muito justas e escuras pode ser prejudicial. Peças assim são as que mais absorvem calor, trazendo uma sensação de abafamento, o que pode agravar os sintomas de fadiga.

Evite o uso de sabão em pó e amaciante

Falando em componentes químicos, é altamente indicado que durante o tratamento oncológico se suspenda o uso de sabão em pó e amaciante na hora da lavagem das roupas. A razão é que esses produtos estão cheios dos mais variados componentes químicos que podem prejudicar a pele do paciente, que está mais sensível.

Produtos de limpeza industrializados, em geral, contêm em suas fórmulas componentes químicos abrasivos, para que qualquer tipo de sujeira possa ser eliminada com o mínimo de esforço. Com o sabão em pó, a história é a mesma.

Alternativas para o amaciante e o sabão em pó

Para evitar que o sabão em pó e o amaciante possam causar algum tipo de alergia, irritação ou feridas na pele do paciente, recomenda-se a substituição por sabão de coco natural e vinagre de maçã, respectivamente.

É válido notar que, por ser 100% feito de ingredientes naturais, o sabão de coco é o item mais indicado para a higienização das roupas de pacientes oncológicos. O vinagre, apesar de ácido, não causa nenhum efeito na pele.

Sua dosagem deve ser de 1 colher de sopa para cada litro de água durante a última lavagem. Dessa forma, ele amacia as roupas sem deixar um cheiro desconfortável.

Mantenha as roupas sempre limpas

Parece uma dica boba, mas vale o lembrete: os pacientes oncológicos devem evitar usar roupas que estão há muito tempo guardadas sem lavá-las antes. Esta ação simples evita alergias e irritações na pele destes pacientes, e ainda reduz a chance de mal-estar por causa do cheiro forte de mofo.

Outro ponto importante é sempre lavar roupas novas antes de utilizá-las. É que elas geralmente ficam expostas nas araras e quaisquer pessoas, estejam elas saudáveis ou não, podem tocar nas roupas e, consequentemente, contaminá-las.

Estes são alguns exemplos de ações simples, realizadas no dia a dia, que ajudam a amenizar certos desconfortos em uma pele mais sensível, como as dos pacientes que estão em tratamento contra o câncer. É importante manter essas medidas durante todo o período da quimioterapia e também alguns meses depois, até a imunidade se reestabelecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo