Mercado garantido e preço justo mantêm agricultores familiares no campo

Os agricultores familiares Marcos Oliveira, Francisco Batista e Deuzir Leite estão muito entusiasmados com a oportunidade que as vendas para os órgãos públicos têm gerado para os seus negócios. Os três fazem parte da ProRural, Cooperativa de Agricultores Familiares de Planaltina de Goiás, e comercializam seus produtos para diversos quartéis do Exército e da Aeronáutica no Distrito Federal por meio da modalidade Compra Institucional do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). Em três anos, a cooperativa quase triplicou a quantidade de produtos vendidos para este público, além de ter garantido mercado do Programa Nacional de Alimentação Escolar em Brasília e em cidades goianas.

Marcos Oliveira, de 32 anos, trabalha na propriedade de oito hectares com mais dois irmãos e dois cunhados. Pimentão, tomate, abobrinha e vários outros produtos são colhidos todos os dias na chácara que foi quitada graças às vendas feitas aos órgãos públicos. Dependendo do período, por mês, a família já conseguiu ganhar 20 mil reais em vendas. Mas nem sempre foi assim. Marcos lembra como era a vida antes de se reunir em cooperativa e conquistar as chamadas públicas do PAA.

Para Francisco Bezerra, de 46 anos, não tem tempo ruim. Nos cinco hectares em que mora, produz berinjela, maracujá, tomate e é o principal produtor de mandioca da cooperativa. Ele, junto com a esposa, dona Neide, entregam ela descascada e pronta para ser preparada nos restaurantes dos quartéis de Brasília. Para Francisco, o preço justo tem sido o grande diferencial da compra institucional e o que o tem motivado a continuar na roça.

O agricultor Deuzir Leite, de 40 anos, conta que as vendas públicas ajudaram a manter a produção. Agora, ele já pensa em aumentar a plantação para dar conta de atender a demanda pelas hortaliças.
Até sexta-feira, 26, o governo federal celebra a Semana Nacional da Agricultura Familiar e o Ministério da Cidadania é um dos principais coordenadores de ações voltadas para este público, no acesso ao mercado institucional, entre elas o PAA que permite as compras de alimentos da agricultura familiar por órgãos públicos com dispensa de licitação, facilitando procedimentos e fortalecendo a economia local. Atualmente, por lei, ao menos 30% por cento dos produtos obtidos para alimentação nas instituições públicas federais devem vir da agricultura familiar.
Para acompanhar as chamadas públicas abertas em todo o País, basta acessar o portal comprasagriculturafamiliar.gov.br.

Ouça aqui (3’58)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo