É possível adestrar um gato?

Os gatos são bichinhos muito fofos, não é mesmo? Se você tem alguma rede social, já deve ter visto um vídeo viral de um felino fazendo alguma coisa extremamente engraçada. Pode ser destruindo um objeto de decoração do tutor, assistindo a algum programa na TV, ou, simplesmente, pedindo carinho e atenção do dono.

O que muita gente não sabe é que os gatos podem sim ser adestrados. Para isso, é importante que o tutor comece o trabalho com os filhotes de gatos e respeite a natureza de cada animalzinho.

Quer ensinar seu gato parar de arranhar objetos ou está pensando em adotar um e ensiná-lo a fazer alguns truques? Reunimos algumas informações para você promover o adestramento do seu pet.

Foto: Divulgação

Adestre o gato ainda quando filhote

Uma pessoa adulta, certamente, já desenvolveu alguns hábitos mais característicos e dificilmente consegue mudá-los do dia para a noite, não é mesmo? Em contrapartida, as crianças podem aprender hábitos saudáveis com mais facilidade.

Bem, guardadas as devidas proporções, o mesmo acontece com os pets, sejam eles cães ou gatos.

Por isso, para ter um bom adestramento, os veterinários recomendam que o tutor comece esse processo de ensinamentos e aprendizados quando o gatinho ainda for um filhote. Com isso, o animal vai aprendendo, aos poucos, que certos comportamentos são mais adequados.

Se o gato já estiver na fase adulta

Se o seu pet já estiver em idade adulta, então, você vai precisar de muito mais paciência e amor para adestrá-lo. No entanto, não significa que esta seja uma missão impossível. Os gatos são bastante inteligentes, eles só não gostam tanto de fazer coisas para agradar o dono.

É por isso que, para adestrar um gatinho, é muito importante conhecer e entender melhor a natureza deles.

Entenda a natureza do gato

Os gatos, particularmente, são um pouco menos sociáveis, isto é, eles não costumam agir para conquistar a atenção e lealdade dos tutores, comportamento mais comum nos cachorros, por exemplo.

Isso não significa, no entanto, que eles não demonstrem amor e carinho pelos seus donos, ou que não liguem para eles, é que eles têm uma maneira diferente de agir, só isso.

E é muito importante que o tutor entenda os comportamentos dos felinos e crie estratégias de adestramento condizentes com a natureza deles. Se o seu pet for mais arisco, então não adianta tentar ensiná-lo algo na base da disciplina espartana, ou, do grito, por exemplo. Isso, na verdade, só vai distanciá-lo e embravecê-lo.

Dê tempo ao pet

Quando você estiver ensinando o seu gato, é essencial que dê tempo a ele. Dificilmente o pet vai sair fazendo tudo o que você deseja do dia para a noite. E, de forma geral, em um bom processo de adestramento, é determinante que o tempo do pet seja respeitado.

Ele vai aprendendo aos poucos, não adianta querer que ele faça tudo o que você quer de uma hora para outra.

Crie estímulos positivos

Outro aspecto muito importante é que o gato receba estímulos positivos, ou seja, nada de broncas e castigos. Diante dessas situações, eles tendem a agir de forma ainda mais indiferente e fria.

O que são estímulos positivos

Os estímulos positivos são quando o tutor recompensa o pet por ele ter entendido algum comando e por ter realizado a ação que o dono queria.

Então, por exemplo, se você está ensinando o gatinho a buscar uma bolinha quando você a arremessa, se ele te atender, dê a ele um petisco ou uma bolachinha. Assim, o pet começa a entender que sempre que ele for atrás da bolinha vai receber uma boa recompensa.

Varie as recompensas

Os gatos são extremamente inteligentes e não pense que eles se contentam sempre com as mesmas recompensas não. Principalmente quando estão em adestramento, que é uma atividade um pouco mais monótona para eles.

Por isso, procure diversificar os petiscos e bolachinhas que você oferece como recompensa. Isso vai ajudar a mantê-los interessados no adestramento.

Procure não punir

Aliado as outras dicas, é imprescindível que o tutor mantenha a calma e não tente punir o pet a cada vez que ele não atender a um estímulo. Gatos não gostam de ser punidos, nem de ouvir muitas broncas. Mantenha o tom de voz baixo e persista nos estímulos positivos.

Agora que você já sabe um pouco mais sobre adestramento em gatos, é importante lembrar que este é um processo um pouco demorado e que exige muita paciência do tutor.

Não desista na primeira recusa do pet e não perca a paciência. Vocês vão acabar ganhando bastante tempo juntos e, com calma e amor, vão estreitar os laços de amizade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo