Defesa Civil envia equipes para prestar apoio a famílias atingidas pela cheia do rio Apa

Pelo menos 160 pessoas, conforme dados levantados até o momento em Bela Vista e Porto Murtinho, foram diretamente prejudicadas com enchente; danos chegaram à zona rural

Cheia no Rio Apa, próximo a região do Assentamento Ingazeira. A região encontra-se em situação de emergência – Foto: Defesa Civil/MS

Equipes da Cedec-MS (Coordenadoria Estadual de Defesa Civil de Mato Grosso do Sul) seguem nesta quarta-feira (27) para o Sudoeste do Estado, onde a cheia do rio Apa prejudicou diretamente cerca de 160 pessoas em Bela Vista e Porto Murtinho. Nos municípios, serão entregues alimentos para as famílias atingidas e realizados diagnósticos sobre os estragos causados pela inundação.

A Defesa Civil estadual trabalhará em conjunto com as equipes locais, que continuam a atender famílias atingidas, principalmente, na área rural dos municípios. “As equipes devem permanecer, pelo menos, até sábado na região, para realizar estudos e prestar apoio às comunidades”, informou o coordenador do órgão, o tenente-coronel Fábio Catarinelli. Os caminhões com os alimentos serão carregados nesta terça-feira (26), com a saída para o Sudoeste de Mato Grosso do Sul programada para a madrugada de quarta.

Cheia no Rio Apa, próximo a região do Assentamento Ingazeira. A região encontra-se em situação de emergência – Foto: Defesa Civil/MS

As primeiras informações indicam que cerca de 40 famílias em Bela Vista e Porto Murtinho foram diretamente atingidas pela cheia do Apa, que delimita a fronteira do Brasil com o Paraguai naquela região, em 20 de março. Também houve danos em estradas –pelo menos uma ponte de madeira ruiu em Murtinho– e estruturas de suporte a populações que vivem na zona rural, como aldeias indígenas, nos dois municípios e também em Caracol. Prefeituras das três cidades já decretaram emergência diante da situação.

“Temos informações de que aldeias que usam geradores para o abastecimento de energia e também para fazer bombas d’água operarem tiveram problemas com os equipamentos”, destacou Catarinelli. “Na região do Destacamento Militar Ingazeira, do Exército, não há água potável”, emendou o tenente Landes Dornelles Pereira, que seguirá para a região.

O rio Apa transbordou graças a temporais que, na semana passada, atingiram fortemente diversas regiões do Estado. Embora o rio não tenha uma régua para medição das cheias, estima-se que apenas na área urbana de Bela Vista ele subiu sete metros acima do nível normal, levando à remoção de famílias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo