Infidelidade: Ser fiel é uma estratégia para a plenitude, diz Fabiano de Abreu

O carnaval acabou e o tema fidelidade é bastante comentado, dada a libertinagem característica da época e os chamados ‘amores de carnaval’. O filósofo e pesquisador Fabiano de Abreu acredita que a fidelidade é parte do planejamento para a plenitude de uma vida tranquila e tem algumas teorias e pensamentos sobre o tema.

Em seu livro ‘Viver Pode Não Ser Tão Ruim’, Fabiano pondera que para ser feliz o ser humano tem como objetivo buscar maneiras de uma vida plena : “Plenitude é uma felicidade inconsciente. Ser feliz são momentos, ter plenitude da tranquilidade, da paz como chamo, é uma felicidade constante em uma potencia baixa e com pequenas oscilações.” Diz o filósofo

Filósofo Fabiano de Abreu – Foto: MF Press Global

Como resposta a dois estudos realizados, o filósofo publicou o artigo ‘Brasileiro é o povo mais ciumento pois é o mais promíscuo‘. Um dos estudos apontou o Brasil como o povo mais ciumento do mundo e o outro coloca o povo brasileiro como o povo mais promíscuo do mundo. Ele juntou as duas pesquisas para sua teoria de que, uma coisa está ligada a outra.

Fabiano tomou os temas acima descritos como base para um estudo empírico sobre a infidelidade. A teoria desenvolvida pelo filósofo é de que a estabilidade contribui para a felicidade: “Se [o relacionamento] está bom como está, para que colocá-lo em risco. Um balanço negativo no relacionamento pode ocasionar na perda, seja ela repentina ou tardia.”

Fabiano de Abreu correlaciona alternativas e justificativas para o conceito de ‘fidelidade’ com a influência sobre a decisão de permanência em um relacionamento, já que a infidelidade que só existe, quando há um relacionamento, um compromisso entre as partes envolvidas.

Porque trair não compensa?

“A fidelidade vai além de uma personalidade e de um caráter. É uma estratégia para alcançar a plenitude.” Frase de Fabiano

Tesão = sexo 

Foto: MF Press Global

Quando falamos em traição física falamos em sexo, logo, falamos no tesão. O tesão não resulta em sexo quando não temos outras pessoas diferentes em nosso leque de possibilidades e oportunidades. Se não tivermos oportunidade de nos relacionar intimamente com outras pessoas, só teremos a consciência do que temos como concreto, do que está ao nosso alcance. Não seria anormal não ter pensamentos com outras pessoas e sentir desejo por elas, uma atração física. Contudo, quando isto sai do imaginário, da fantasia e do olhar, e passa ao mundo físico e as vias de fato da traição torna-se um risco. Imagine que você acabe ficando com outro parceiro(a) e goste tanto de se relacionar sexualmente com ele(a) a ponto de não querer mais voltar para o seu parceiro(a) anterior? O diferente pode naquele momento ser mais interessante, o sexo talvez mais ‘ardente’, mas com o tempo a rotina será a mesma, apenas com outros personagens.Temos que pensar que se o relacionamento está bom com o seu(sua) parceiro(a) atual, existem mais chances de ter um relacionamento pior com um parceiro diferente, e certamente igual nunca será.

Experimentar outra pessoa pode colocar em risco também os sentimentos e desmoronar assim o “castelinho de areia” da sua vida. Principalmente se tiver filhos.

Penso que o melhor é não testar, não por a prova, não se permitir tentar pelo diferente se o que tem já é bom. Pode não valer a pena. Se está querendo novidades, altere sua rotina, seja criativo pois “time que está ganhando não se mexe.”

A estratégia de não trair vai além das consequências, mas é uma maneira inteligente de manter a plenitude e conquistar o sucesso profissional, seguindo assim as etapas da vida.

 “Infidelidade acontece quando se está em um relacionamento, em um comprometimento, o que não justifica se o relacionamento está bom ou ruim.”

As faces da mentira

Psicólogos já comprovaram através de estudos que mentir faz mal a saúde física e mental. Viver com a honestidade além de prolongar a vida, ainda te deixa livre de apontamentos negativos e avaliação de caráter. A pessoa torna-se mais saudável e sua relação social mais leve e simples, diminuindo preocupações.

Foto: MF Press Global

Faço antes que faça comigo

Há pessoas que só por desconfiar que estão sendo traídas, traem. Isso é um erro!

Muitos casos de traição por parte das mulheres, por exemplo, se dão pela desconfiança. O que considero um erro, pois além das consequências sociais dos atos, pode manchar sua reputação e ferir o orgulho.
Obs.: Falo das mulheres, pois o percentual de homens infiéis é maior que o das mulheres (apesar dessa diferença estar a diminuir), mas no caso delas, a maioria é por desconfiança diz um estudo.

Ele me traiu, mas será que ele me ama?

Uma especialista certa vez disse que a traição pode ser acidental, romântica ou crônica. Ou seja, a pessoa pode amar a outra e mesmo assim trair, por uma simples atração sexual, física, sem amor. O que deve-se ter é consciência da atitude e de suas consequências já que mesmo sem descobrir, estará vivendo com uma mentira e com o peso na consciência. Será que ele(a) merecia isso?

Seu parceiro é seu confidente

Os seres humanos precisam de alguém para expor seus pensamentos. Geralmente fazem isso com o seu parceiro(a) que são os baús de seus segredos. Um erro pode ser a chave para a abertura desse baú. Pense nas consequências.

Rotina

Não podemos esquecer o significado da palavra ‘rotina’. se a rotina fizer a emoção sobressair à razão, não esqueça de que em outro relacionamento também haverá a rotina. Podemos combater a rotina com ações que mudam o cotidiano. Lembrando que precisamos de rotina para não viver de surpresas e sobressaltos.

A carne é fraca 

Anule as opções e contente-se. Alguns poucos minutos podem não valer uma vida.

Parceiro ideal

Escolha um parceiro em que sinta-se seguro e o ame. Defina em que nível você está de entrega e amor àquela pessoa, e busque estar com alguém que você admira e não se enjoe tão facilmente, que possa ser uma pessoa com quem você está disposto a conviver.

Histórico do seu parceiro

Não existe nada que prove que a infidelidade seja uma questão social, mas eu acredito que a influência social possa sim ser relevante já que os países divergem em suas estatísticas em relação a fidelidade.

questão genética já foi desvendada pela ciência que garante que o gene DRD4, o mesmo dos aventureiros e com tendências ao vício, ligado também na liberação da dopamina que dá a sensação de prazer, gene também ligado a decisões políticas e liberdade sexual e comportamento aventureiro, estaria diretamente relacionado a infidelidade.

Relação extraconjugal pode fazer bem ao casamento?

Discordo! A não ser que seu parceiro(a) seja bastante liberal e “mente aberta”. A traição possibilita a “pulga atrás da orelha” que causa desconforto, desconfiança e que pode prejudicar o relacionamento.

Medo da vida passar e não ter aproveitado

Isso está presente principalmente nos homens, que traem pois temem o tempo e não ter aproveitado. A vida é feita por etapas. Logo, se você já encontrou o seu verdadeiro amor, é sinal que passou por outros amores e pessoas e cumpriu a etapa da conquista e está próximo a outra etapa da vida. Tem coisas que temos que aceitar. É como a morte, ela existe e é certo que virá. Portanto temos que cumprir as etapas da vida uma hora ou outra e aceitar isso. A não ser que prefira ficar velho e sozinho ou vivendo novas histórias com pessoas que mal sabem da sua própria trajetória de vida. Escolhas definem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo