Encontro da borracha: Famasul e Fiems discutem projeto de fortalecimento da cadeia produtiva da borracha

O evento reuniu representantes de diversos elos da cadeia produtiva para planejar o desenvolvimento do segmento da borracha em MS

“A heveicultura é uma opção para diversificação de produção para as propriedades rurais. A estruturação do setor, da produção ao processamento da matéria prima, poderá trazer resultados sociais e econômicos para o estado”. A afirmação foi feita pelo presidente do Sistema Famasul – Federação da Agricultura e Pecuária de MS, Mauricio Saito, durante o Encontro da Borracha, realizado no dia 12 de março, na sede da Casa Rural.

Durante o evento Saito ressaltou que o projeto que está sendo construído por instituições representativas do setor, tem como objetivo a reestruturação da cadeia produtiva em Mato Grosso do Sul. “Existe um déficit de 170 mil hectares de áreas para tornar a produção nacional de borracha autossuficiente. Segundo zoneamento nacional para seringueiras feito pela Embrapa, Mato Grosso do Sul possui áreas degradadas com aptidão para o cultivo da floresta. O propósito é encontrar alternativas para efetivamente avançar e fortalecer o segmento”.

Foto: Ana Brito/Famasul

O presidente da Fiems – Federação das Indústrias de MS, Sérgio Longen, destacou os pontos de desenvolvimento do setor. “A ideia é ampliar as possibilidades da seringueira, industrializar a matéria prima e mostrar o quanto ela tem potencial”, segundo Longen a cadeia da borracha é competitiva e organizada. “Nossa missão é contemplar novas tecnologias e o processo desta atividade”.

O presidente da Reflore/MS e do Sindicato Rural de Água Clara, Moacir Reis, contextualizou o cenário no estado. “No início pouco se falava na borracha e hoje é uma atividade que se potencializa e envolve famílias. Acredito que Mato Grosso do Sul está no caminho certo pois tem os pré-requisitos para essa cultura”.

Representando a Assembleia Legislativa, o deputado estadual, Capitão Contar, presidente da Comissão de Turismo, Indústria e Comércio e vice-presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária e Políticas rural, agrária e pesqueira, afirmou: “Discutir tanto o lado da indústria como do produtor rural é a receita para que a atividade ganhe força no estado”.
O presidente do Sindicato Rural de Aparecida do Taboado, Eduardo Sanchez, valorizou a iniciativa e destacou o pioneirismo dos produtores do estado. “Com o apoio do Saito e o trabalho da ministra da Agricultura, Tereza Cristina Correa da Costa Dias, em Brasília, nossa expectativa é positiva. Muita coisa tem sido feita”.

Participaram do encontro na sede da Famasul: o diretor-secretário do Sistema Famasul, Frederico Stella; diretor-tesoureiro do Sistema Famasul, Marcelo Bertoni; o superintendente do Senar/MS, Lucas Galvan; o presidente da Aprosoja/MS, Juliano Schmaedecke; representando a Secretaria de Fazenda, Jader Julianelli Afonso; o superintendente da Semagro, Rogério Beretta; o diretor executivo da Reflore, Dito Mário; a diretora técnica do Sistema Famasul, Mariana Urt, além de produtores rurais e representantes do setor industrial.

Fonte: Assessoria de Comunicação do Sistema Famasul

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo