Marcelo Melo se recupera de lesão nas costas e não disputa o Australian Open

Tenista mineiro voltou aos treinos visando o primeiro torneio de 2019, a Copa Davis, integrando a equipe do Brasil que enfrentará a Bélgica nos dias 1 e 2 de fevereiro, em Uberlândia (MG).

São Paulo (SP) – A temporada 2019 do mineiro Marcelo Melo terá início em Uberlândia (MG), integrando a equipe do Brasil na Copa Davis. Marcelo está se recuperando de uma lesão nas costas, que impediu a sua preparação para o Australian Open, primeiro Grand Slam do ano, neste mês de janeiro. Assim, a volta às quadras, após as disputas de 2018, será nos dias 1 e 2 de fevereiro, diante da Bélgica, quando o Brasil estará em busca de uma vaga no Grupo Mundial. Os jogos serão no saibro, no ginásio Sabiazinho. Aproveitando o tempo parado, Marcelo também retirou um cisto por causa de uma infecção que teve no ano passado, em Acapulco, no México.

“Infelizmente, não me recuperei a tempo para disputar o Australian Open. Mas já voltei aos treinos na preparação para a Copa Davis, “, explicou Marcelo, patrocinado por Centauro, BMG e Itambé, com o apoio da Volvo e Confederação Brasileira de Tênis.

Em 2018, Melo e Kubot chegaram às quartas de final em Melbourne (Divulgação)

No ano passado, Marcelo – ao lado do parceiro polonês Lukasz Kubot – começou a temporada na Austrália com o título do ATP 250 de Sidney, disputando na sequência o Australian Open, em Melbourne, chegando às quartas de final.

Agora, em 2019, além da Davis, em Uberlândia, Marcelo estará também no Rio de Janeiro, para o Rio Open, entre os dias 18 e 24 de fevereiro, nas quadras de saibro do Jockey Club Brasileiro. Será sua sexta participação no torneio, que disputa desde a primeira edição, em 2014.

63 partidas, 41 vitórias, quatro títulos e três recordes em 2018 – O brasileiro Marcelo Melo, 35 anos, e o polonês Lukasz Kubot, 36 anos, estão jogando juntos desde o início da temporada 2017 e já confirmaram a continuidade da dupla em 2019. Antes, formaram parceria em torneios como o ATP de Viena, onde foram campeões em 2015 e 2016.

Na temporada 2018, Melo e Kubot conquistaram quatro títulos: ATP 250 de Sidney, na Austrália; ATP 500 de Halle, na Alemanha; ATP 500 de Beijing e Masters 1000 de Xangai, ambos na China. Nos Grand Slam, foram vice-campeões no US Open, em Nova Iorque (EUA).

O ano marcou três recordes na carreira de Marcelo: passou a ser o tenista brasileiro com maior número de semanas no topo do ranking – 56 – e, também, o recordista brasileiro em número de títulos da ATP, encerrando 2018 com 32, após a conquista em Xangai. Além disso, é o jogador brasileiro que mais vezes disputou o ATP Finals, torneio que encerra a temporada, reunindo as oito melhores duplas do ano, em Londres, na Inglaterra. No mês de novembro esteve no Finals pela sexta vez – a segunda com Kubot. Terminou mais uma vez no Top 10 do ranking mundial individual de duplas da ATP, dividindo a nona colocação com Kubot.

Desde 2017, quando encerrou a temporada como número 1, Marcelo ficou 30 semanas – 25 consecutivas – como líder do ranking mundial individual de duplas (13 em 2017 e 17 em 2018). Antes, ele ocupou a liderança pela primeira vez em 2015, por 22 semanas, também virando o ano na frente, e voltou ao primeiro lugar por mais quatro semanas a partir de maio de 2016.

Melo e Kubot disputaram, em 2018, 63 jogos, em 25 torneios, com 41 vitórias – quatro em Sidney, campeões do ATP 250, três no Australian Open, em Melbourne, ambos na Austrália, uma no ATP 500 de Roterdã, na Holanda, uma no Rio Open, no Rio de Janeiro, uma no ATP 500 de Barcelona, na Espanha, duas no ATP 250 de Munique, na Alemanha, uma no Masters 1000 de Madri, na Espanha, uma no Masters 1000 de Roma, na Itália, duas em Roland Garros, duas no ATP 250 de S-Hertogenbosch, com Marcelo atingindo 450 vitórias na carreira, na estreia na Holanda, quatro no ATP 500 de Halle, com a conquista do bi na Alemanha, uma na estreia em Wimbledon, uma no Masters 1000 de Cincinnati, cinco no US Open, com o vice-campeonato, quatro no ATP 500 de Beijing, com o título, quatro no Masters 1000 de Xangai, também com o título, duas em Viena, uma em Paris e uma no ATP Finals, em Londres.

Melhor tenista no COB pela quarta vez – Marcelo foi escolhido em 2018 pela quarta vez, o melhor tenista brasileiro do Prêmio Brasil Olímpico, tradicional evento organizado pelo COB (Comitê Olímpico do Brasil) – 2014, 2015, 2017 e 2018. Em 2017, comemorou duas vezes na premiação: como vencedor em sua modalidade e, também, no geral, como Melhor Atleta do ano.

Principais conquistas na carreira – Entre os 32 títulos de Melo na carreira, todos em duplas, dois são Grand Slam – Roland Garros, na França (2015) e Wimbledon, em Londres (2017) e nove Masters 1000, além de sete ATP 500 e 14 ATP 250. Pelo 12º ano consecutivo comemorou ao menos um título por temporada.

O primeiro título em torneios ATP foi em 2007, no Estoril, em Portugal. Tem dois Grand Slam – Roland Garros 2015 e Wimbledon 2017 -, além de um vice em Londres (2013) e um vice (2018) e duas semifinais no US Open. Marcelo também lidera no número de títulos em Masters 1000. Em Xangai 2018 chegou ao nono, depois de ganhar Xangai (2013 e 2015), Paris (2015 e 2017), Toronto (2016), Cincinnati (2016), Miami (2017) e Madri (2017).

Temporada 2018

Títulos:

ATP 250 – Sidney (Austrália), rápida

ATP 500 – Halle (Alemanha), grama

ATP 500 – Beijing (China), rápida

Masters 1000 – Xangai (China), rápida

Vice-campeonato:

Grand Slam – US Open – Nova Iorque (EUA)

Semifinais:

ATP 250 – Munique (Alemanha)

ATP 250 – S-Hertogenbosch (Holanda)

Quartas de final:

Grand Slam – Australian Open (Austrália)

Masters 1000 – Madri (Espanha), Roma (Itália) e Paris (França)

ATP 500 – Barcelona (Espanha), Rio Open (Rio) e Roterdã (Holanda)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo