TVE Cultura assina protocolo de intenções para transmitir Festa do Chamamé na Argentina

Tratativa foi firmada com representantes da província de Corrientes na Governadoria, em Campo Grande; evento acontece em janeiro.

O Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, por meio da Secc (Secretaria de Estado de Cultura e Cidadania), firmou na manhã desta sexta-feira (21), na Governadoria em Campo Grande, um protocolo de intenções com delegação da província de Corrientes (Argentina) visando a transmissão, por meio da TVE Cultura, da 29ª Festa Nacional do Chamamé e a 15ª Festa do Chamamé do Mercosul, de 11 a 20 de janeiro de 2019, para toda a América do Sul. A medida atende a solicitação da comunidade argentina e paraguaia de prestigiar as apresentações.

Os representantes de Corrientes estão na Capital para participar do 2º Festival Nacional do Chamamé, que acontece desde quinta-feira (20) em Campo Grande e já conta com transmissão das emissoras públicas da Fertel (Fundação Luiz Chagas de Rádio e TV Educativa de Mato Grosso do Sul) –a Educativa 104.7 FM também transmitiu apresentações do evento ao vivo no programa A Hora do Chamamé.

Foto: TVE Cultural/Divulgação

Com a proposta, pretende-se levar apresentações ao vivo do festival “para as mais de 30 milhões de pessoas que integram a nação chamamezeira e para o mundo”, conforme destacou Carlos Farizano, secretário de Turismo de Corrientes. Ele destacou, durante a reunião, que o ritmo faz parte de uma cultura compartilhada entre Argentina, Paraguai e Brasil, muito presente em Mato Grosso do Sul.

Diretor-presidente da Fertel e atual presidente do Fórum Nacional das Emissoras Públicas, Bosco Martins defendeu a importância da transmissão do Festival Cultural do Chamamé dentro do espírito das empresas públicas de comunicação. “Trata-se da expressão de povos que estão permeadas em várias regiões do Brasil, Argentina e Paraguai, muito presente e admirada aqui em Mato Grosso do Sul. Há público, interesse e, principalmente, necessidade de mostrarmos esse retrato da América do Sul”, pontuou.

Bosco afirmou que pretende levar ao próximo encontro do Fórum Nacional proposta para que a Festa do Chamamé do Mercosul também seja repercutida nas outras emissoras públicas. “Podemos fazer a veiculação nos moldes do Festival Folclórico de Parintins, que é transmitido em rede a partir do Amazonas e tem sido sucesso de crítica”, explicou.

“Vamos analisar se há como firmar um convênio para fazer a Fertel realizar essa transmissão. A TVE Cultura tem essa preocupação cultural e, com as novas possibilidades vindas com a digitalização, criamos a oportunidade de mostrar essa produção cultural para Mato Grosso do Sul e o planeta”, destacou Athayde Nery, titular da Secc.

O protocolo de intenções será formalizado na noite desta sexta-feira, durante a Noite de Gala do Festival do Chamamé, no Centro de Convenções Rubens Gil de Camillo, na Capital.

Patrimônio Imaterial

Além da transmissão, a delegação de Corrientes reforçou pedido de apoio para que o chamamé seja reconhecido como Patrimônio Imaterial da Humanidade. O pleito oficial acontece em novembro em Port Louis, nas Ilhas Maurício (África), durante reunião da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

 “Mato Grosso do Sul já tem o chamamé como seu Patrimônio Cultural Imaterial, o que foi resultado de uma agenda propositiva muito bem recebida”, afirmou Maria Gabriela Basualdo, diretora de Relações Internacionais junto à Unesco representando a Província de Corrientes, referindo-se as ato assinado por Athayde Nery e publicado em 7 de agosto de 2017 que deu esse reconhecimento ao chamamé.

O secretário referendou o apoio à proposta encampada pela delegação de Corrientes. A discussão pode chegar ao Codesul (Conselho de Desenvolvimento e Integração Sul), que reúne representantes dos governos de Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul e dariam visibilidade ainda maior ao pleito.

Orivaldo Mengual, presidente do Instituto Cultural Chamamé de Mato Grosso do Sul – organizador do 2º Festival Cultural do Chamamé, que será realizado até domingo (23) na praça do Rádio, no Centro da Capital –, também participou do encontro. Apresentador do programa A Hora do Chamamé, ele ressaltou a visibilidade que o estilo musical ganhou nas ondas do rádio. “Antes, o chamamé era restrito a algumas pessoas, mas com o programa ele se popularizou”.

Também participaram da reunião Thomaz Escrivano Ramos, secretário-adjunto da Secc, Márcio Nina, do Instituto Cultural do Chamamé, Martin Romero, secretário de Cultura de Coririentes, Eduardo Sívore, diretor do Instituto de Cultura de Corrientes, Roberto Vilalba, presidente do Centro Cultural de Siete Corrientes, Christian Queiroz, do Instituto de Chamamé de Corrientes, Lúcia Alira, produtora da Festa do Chamamé e o artesão Ricardo Gonzales.

Durante a reunião, a delegação de Corrientes realizou uma apresentação de chamamé com Cesar Frete Trio e Pajarito Silvestri y su Grupo, com apresentação de dança de Julio e Virginia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo