Melo e Kubot param na segunda rodada de Wimbledon

Foram 3h37min e três tie-breaks, em jogo que terminou com a vitória do isralense Erlich e do polonês Matkowski diante dos atuais campeões do Grand Slam

São Paulo (SP) – O sonho do bicampeonato em Wimbledon acabou após 3h37min de jogo para o mineiro Marcelo Melo e o polonês Lukasz Kubot. Nesta sexta-feira (6), em uma partida com três tie-breaks e muito equilíbrio, os cabeças de chave número 2 do torneio foram derrotados pelo israelense Jonathan Erlich e o polonês Marcin Matkowski, de virada, por 3 sets a 1, pela segunda rodada do Grand Slam, em Londres, na Inglaterra. Erlich e Matkowski venceram por 6/7 (5-7), 6/4, 7/6 (7-4) e 7/6 (10-8). No quarto set, Melo e Kubot salvaram match point e chegaram a marcar 6/3 no tie-break, com saque a favor. Mas, os adversários reagiram e ficaram com a vaga para a terceira rodada.

“Hoje, infelizmente, não deu para nós. Tivemos algumas chances, no primeiro set, depois perdemos um game de saque em que faltou um pouco de atenção, o que acabou custando o set. Aí, perdemos um pouquinho o momento do jogo, no qual estávamos dominando, mesmo assim ainda tivemos algumas outras chances. O que resumiu o jogo foi não ter aproveitado e não ter jogado da maneira que jogamos Halle e a primeira rodada aqui. Nós não fomos tão agressivos como deveríamos. Especialmente nas chances de break point, na hora de sacar, acho que acabou custando o jogo, ainda mais por ser uma dupla experiente, eles aproveitaram. Fica o aprendizado para os próximos torneios e para o ano que vem em Wimbledon”, explicou Marcelo, que tem o patrocínio de Centauro, BMG e Itambé, com apoio da Confederação Brasileira de Tênis.

Marcelo, enxergando o resultado como aprendizado (Adam Warner / Wimbledon)

Desde o início da partida, muito equilíbrio e a certeza de uma disputa difícil e demorada na busca por seguir no torneio. O primeiro set já mostrou isso, definido no tie-break, com vitória de Melo e Kubot: 7/6 (7-5). Na segunda série, com uma única quebra, os adversários empataram o jogo, marcando 6/4. No terceiro e quarto sets, novamente, decisão no tie-break. Erlich e Matkowski viraram fazendo 7/6 (7-4), não sem antes Melo e Kubot terem tido a chance de evitar o desempate, quando venciam por 6/5 e não conseguiram o break.

O quarto set foi, sem dúvida, o mais emocionante e disputado. Novo tie-break. Mais equilíbrio. Desta vez, com Melo e Kubot salvando um match point para empatar em 6/6. No desempate, os atuais campeões começaram muito melhor. Abriram 5/2, marcaram 6/3 e tinham dois saques a favor para fechar e levar para o quinto set. Mas, a partir daí, veio a reação de Erlich e Matkowski, que viraram para 7/6. Melo e Kubot tiveram quatro set points e chegaram a salvar um match point. Mas, no final, a vitória foi dos adversários, 10-8, que seguem em Wimbledon.

Trinta e cinco partidas, 23 vitórias e dois títulos na temporada – O brasileiro Marcelo Melo, 34 anos, e o polonês Lukasz Kubot, 36 anos, estão jogando juntos desde o início da temporada 2017. Antes, formaram parceria em torneios como o ATP de Viena, onde foram campeões em 2015 e 2016.

Em 2018, até agora, foram dois títulos, com a disputa de 35 jogos e 23 vitórias – quatro em Sidney, campeões do ATP 250, três no Australian Open, em Melbourne, ambos na Austrália, uma no ATP 500 de Roterdã, na Holanda, uma no Rio Open, no Rio de Janeiro, uma no ATP 500 de Barcelona, na Espanha, duas no ATP 250 de Munique, na Alemanha, uma no Masters 1000 de Madri, na Espanha, uma no Masters 1000 de Roma, na Itália, duas em Roland Garros, duas no ATP 250 de S-Hertogenbosch, com Marcelo atingindo 450 vitórias na carreira, na estreia na Holanda, quatro no ATP 500 de Halle, com a conquista do bi na Alemanha, e uma na estreia em Wimbledon.

Em 2017, a dupla Melo e Kubot disputou 24 torneios, conquistou seis títulos, venceu 51 jogos, com apenas 18 derrotas. Entre essas vitórias estão a 400ª da carreira do brasileiro, obtida na estreia em Roland Garros.

No ranking mundial individual de duplas, Melo ocupa atualmente a quarta colocação, com Kubot em terceiro. Eles empatam em número de pontos, 6.980, mas pelo primeiro critério de desempate – torneios disputados ao longo de 52 semanas -, o mineiro tem uma competição a mais. O líder do ranking é o croata Mate Pavic, com 8.240 pontos, seguido do austríaco Oliver Marach, com 8.190.

O título do ATP 500 de Halle, na Alemanha, colocou Melo e Kubot na sexta colocação no ranking mundial de duplas, com 2.100 pontos. Eles subiram duas posições no ATP Doubles Team Race que define, ao final da temporada, as oito melhores parcerias para a disputa do ATP Finals, encerrando o ano. Os atuais líderes são o austríaco Oliver Marach e o croata Mate Pavic, com 5.930.

Recordes em 2018 e o 30º título na carreira – Neste ano, Melo passou a ser o tenista brasileiro com maior número de semanas no topo do ranking – 56 – e, também, o recordista brasileiro em número de títulos da ATP, agora com 30, após a conquista em Halle. Desde 2017, quando encerrou a temporada como número 1, até agora, ficou 30 semanas – 25 consecutivas – como líder (13 no ano passado e 17 em 2018). Antes, ele ocupou a liderança pela primeira vez em 2015, por 22 semanas, também virando o ano na frente, e voltou ao primeiro lugar por mais quatro semanas a partir de maio de 2016. Em março foi eleito atleta do ano pelo COB (Comitê Olímpico do Brasil).

Principais conquistas na carreira – Entre os 30 títulos de Melo na carreira, todos em duplas, dois são Grand Slam – Roland Garros, na França (2015) e Wimbledon, em Londres (2017) e oito Masters 1000, além de cinco ATP 500 e 14 ATP 250. Com a conquista em Sidney, pelo 12º ano consecutivo comemora ao menos um título por temporada.

O primeiro título em torneios ATP foi em 2007, no Estoril, em Portugal. Tem dois Grand Slam – Roland Garros 2015 e Wimbledon 2017 -, além de um vice em Londres (2013) e duas semifinais no US Open. Marcelo também lidera no número de títulos em Masters 1000. Em Paris, em novembro de 2017, chegou ao oitavo, depois de ganhar Shangai (2013 e 2015), Paris (2015), Toronto (2016), Cincinnati (2016), Miami (2017) e Madri (2017).

Temporada 2018

Títulos

ATP 250 – Sidney (Austrália), rápida

ATP 500 – Halle (Alemanha), grama

Semifinais

ATP 250 – Munique (Alemanha)

ATP 250 – S-Hertogenbosch (Holanda)

Quartas de final

Grand Slam – Australian Open (Austrália)

Masters 1000 – Madri (Espanha) e Roma (Itália)

ATP 500 – Barcelona (Espanha), Rio Open (Rio) e Roterdã (Holanda)

Principais resultados em 2017 (24 torneios):

6 títulos: (conquistados em três pisos diferentes):

Grand Slam – Wimbledon, Londres (Inglaterra), grama

Masters 1000 – Paris (França), rápida; Madri (Espanha), saibro; e Miami (EUA), rápida

ATP 500 – Halle (Alemanha), grama

ATP 250 – S-Hertogenbosch (Holanda), grama

4 vice-campeonatos:

ATP Finals – Londres (Inglaterra)

Masters 1000 – Shanghai (China), Indian Wells (EUA)

ATP 500 – Washington (EUA)

Mais informações:

Site:  www.melomarcelo.com 

Fanpage:  facebook.com/marcelomelo83 

Instagram: @marcelomelo83

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo