Qualificação garante vagas em saneamento, setor em que postos de trabalho em nível operacional pode dobrar a cada ano

Crescimento acima da média de outras áreas da infraestrutura nos próximos anos cria expectativa de mais oportunidades para profissionais operacionais.

Foto: Divulgação

O Brasil precisa construir, até 2033, cerca de 300.000 km de tubulação para atender às metas do Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab). Se o país investir o que preconiza o Plansab, um aporte anual de R$ 16 bilhões, serão gerados 150 mil empregos a cada ano, o que equivale ao número de postos de trabalho em nível operacional que o setor emprega atualmente.

É nesse cenário que especialistas enxergam uma grande demanda por emprego em saneamento. A aposta agora é na capacitação de trabalhadores que estão na linha de frente das operações – montadores, encanadores e outros. Esses profissionais correspondem a 70% da mão-de-obra do setor.

Segundo estudo da agência UN-Water, da ONU, para cada U$ 1 milhão investido em expansão dos serviços de água e esgoto na América Latina, 100 novos empregos são gerados diretamente. Estima-se que pelo menos 3,2 bilhões de pessoas no mundo todo trabalhem com setores dependentes de água, como agricultura, indústria, construção civil, geração de energia e as próprias concessionárias de água e esgoto.

A expectativa é que os investimentos no setor do saneamento sejam acelerados daqui em diante, principalmente com a maior participação da iniciativa privada no setor, já que ainda existem 35 milhões de pessoas sem acesso à água potável, 2,5 milhões de domicílios sem instalações sanitárias e metade da população sem acesso a sistemas de esgotamento sanitário.

Para o presidente do SINDCON (Sindicato Nacional das Concessionárias Privadas de Serviços Públicos de Água e Esgoto), Alexandre Lopes, haverá maior demanda por profissionais de todos os níveis no saneamento, nos próximos anos. “A sociedade tem exigido dos governantes mais investimentos no setor, e o saneamento torna-se, pouco a pouco, uma prioridade na agenda política”, avalia.

Para dar conta dessa especialização, o SINDCON firmou parceria com a Hydrus Capacitação e vai oferecer, durante o ano de 2018, quatro cursos para profissionais de nível primário.

“O treinamento desse pessoal será um grande avanço para a melhoria da eficiência do saneamento no país. Do ponto de vista profissional, esses operários se sentem valorizados e compram a ideia de trabalhar para superar os desafios do saneamento com muito mais vontade e vigor”, completa Newton Azevedo, da Hydrus.

A Associação Hydrus Brasil é uma organização sem fins lucrativos, criada em 2015, por meio de uma parceria da Lima Azevedo Engenharia e Consultoria Empresarial e o Office International de l´Eau (OIEau), empresa francesa referência no setor de saneamento básico, que conta com um centro de informações e treinamento na cidade de Limoges e já qualificou mais de cem mil pessoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo