Jurados de Morte

Defensores do campo e da floresta estão ameaçados

Foto: Repórter Brasil/Cortesia

O assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) reverberou em nós, na imprensa nacional e na internacional. Alcançou a ONU, que considerou “alarmante” a morte de uma defensora de direitos humanos no país que mais mata defensores.

Neste exato momento, duas lideranças da comunidade de Montanha e Mangabal, no Maranhão, estão juradas de morte. Junto de indígenas, os ribeirinhos Francisco Firmino Silva, o Chico Catitu, e Ageu Lobo correm risco porque assumiram o papel que deveria ser do Estado no enfrentamento a madeireiros e garimpeiros que atuam ilegalmente. Não tombaram. Ainda. “Eu não posso mais viver”, disse Catitu, por telefone, à Repórter Brasil ciente do que representa a exclusão forçada. Escondidos, não dizem onde estão nem para a família.

Resistir não é opção, mas a única alternativa. Por isso, os indígenas Ka’apor se arriscam todos os dias para proteger o que restou da floresta maranhense. Eles trabalham em um movimento maior, que busca a autonomia para controlar seu território. No mesmo estado, mulheres da etnia Guajajara, as “guerreiras da floresta”, já ocuparam a sede da Funai e bloquearam rodovias em defesa da Terra Indígena Caru.

Os mapas mostram que só existe corredor verde dentro dos territórios que os indígenas protegem. Não é acaso nem coincidência. E o custo é a própria vida.

Foto: Repórter Brasil/Cortesia

Foto: Repórter Brasil/Cortesia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo