Multidão se aglomera no Centro Histórico de Roma

A polícia agiu com rigor para dispersar as pessoas, e fechou praças, bares e restaurantes

Uma multidão formada por cidadãos italianos e por turistas estrangeiros se aglomeraram neste sábado (20) no Centro Histórico de Roma, capital da Itália, apesar dos pedidos das autoridades para que as pessoas mantivessem o distanciamento social devido a pandemia da Covid-19 (Coronavírus).

Pontos turísticos em Roma, na Itália – Foto: ANSA / Ansa

De acordo com informações das principais agências internacionais de notícias, a princípio os policiais italianos pediram para as pessoas deixarem os espaços e mantivessem o distanciamento, mas como houve a recusa, eles intervieram e dispersaram a multidão, que assustada deixou os locais, como pontos turísticos, praças e bares.

As autoridades não souberam dizer ao certo o número de pessoas que estavam se aglomerando, mas acredita que seja centenas, sendo que muitas não usavam máscaras.

Em vários momentos, as autoridades policiais e fiscais tiveram que intervir para conter a formação de aglomeração, principalmente em pontos turísticos, como Fontava di Trevi, Ponte Milvio, Rione Monti e Trastevere. Algumas praças, bares e restaurantes foram fechados.

Pontos turísticos em Roma, na Itália – Foto: ANSA / Ansa

Os carabineiros, como são chamados os policiais italianos, também exigiram das pessoas o certificado sanitário, que comprova que elas estavam vacinadas.

As aglomerações aconteceram logo depois dos protestos de movimentos antivacina, ocorridos no Circo Máximo.

A Itália tem registrado nos últimos dias uma alta significativa no número de contágios e óbitos em decorrência da Covid-19 (Coronavírus) e está vendo a curva epidemiológica subir gradativamente, assim como em outros países da Europa, que já enfrentam uma nova crise sanitária.

Alguns países, como Áustria, Holanda e Bélgica, já decretaram lockdown e podem restringir a entrada de estrangeiros em seus respectivos territórios.

Com informações das Agências Ansa, France Presse e Reuters

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo