João Menezes entra como lucky loser na chave principal do Challenger de Heilbronn, na Alemanha

Tenista mineiro perdeu na segunda rodada do quali, nesta segunda-feira (10), mas contou com desistências na chave para garantir a vaga no saibro alemão. O adversário da estreia será o turco Ergin Kirkin

São Paulo (SP) – João Menezes entrou como lucky loser na chave principal do Challenger de Heilbronn, na Alemanha. Nesta segunda-feira (10), o tenista mineiro – cabeça 3 do quali, número 3 do Brasil e 196 do mundo – foi derrotado pelo francês Maxime Janvier – cabeça 8 e número 227 do ranking – por 2 sets a 0, parciais de 7/5 e 6/1, em 1h35min, na segunda e decisiva rodada do qualifying. Mas, contou com desistências na chave para garantir uma vaga no torneio no saibro alemão. O adversário da estreia será o turco Ergin Kirkin (402 do ranking), vindo do quali.

Mesmo com a derrota, Menezes garantiu vaga na chave (Divulgação)

“Vamos que vamos. Hoje foi um dia muito complicado. Estava ventando bastante. Joguei em uma quadra diferente da de ontem (domingo). O primeiro set foi duro, tive algumas chances. Eu não vinha sacando muito bem desde o início do jogo, mas no segundo, em função do vento, foi pior. E daí ele começava mandando muito facilmente nos pontos, principalmente no meu saque. Agora é seguir, focar nessa estreia”, explicou Menezes, que tem o patrocínio de BRB e apoio de Fila, Wilson e Shopping Uberaba.

O primeiro set foi bastante equilibrado. Janvier quebrou logo no primeiro game. Menezes devolveu em seguida. E os dois tenistas mantiveram seus serviços até o 11º game, quando o francês conseguiu novo break, para fechar depois em 7/5. Após vencer o set inicial, o adversário veio com tudo para o segundo, quebrando três vezes para marcar 6/1 e ficar com a vaga.

No ranking mundial divulgado nesta segunda-feira (10) pela Associação dos Tenistas Profissionais (ATP), Menezes subiu três posições, passando a 196 do mundo. Depois de Heilbronn, tenista mineiro jogará mais um challenger em Biella, na Itália, a partir do dia 17, na sequência da gira europeia no saibro.

Desde 2018, Menezes disputa torneios do circuito Challenger, tendo conquistado seu primeiro título em 2019, em Samarkand, no Uzbequistão. No ano passado, chegou à semifinal do Challenger de São Paulo (SP) e venceu a segunda etapa do Circuito BRB, em Brasília (DF), ambos em novembro, e disputou os qualis do Australian Open e de Roland Garros – neste com uma vitória.

Temporada 2021 – Este ano, abrindo a temporada 2021, Menezes jogou o quali do Australian Open, em Doha, no Catar, parando na segunda rodada. Na Turquia, em Istambul, em quadras duras e cobertas, saiu do quali e chegou às oitavas de final, e em Antalya, no saibro, parou duas vezes na primeira rodada. Assim, tem uma vitória no quali do Australian Open e duas no quali e uma na chave principal em Istambul. Na sequência, parou na primeira rodada do Challenger de Concepcion, no Chile, na estreia no ATP 250 de Córdoba, na primeira rodada do quali de Buenos Aires e na segunda rodada do quali de Santiago. E na primeira rodada do Challenger de Santiago, vindo de vitória no quali. Em Orlando, uma vitória em duplas. Em Tallahassee, uma vitória em simples e duas em duplas. Em Biella, duas vitórias em simples e uma em duplas. Em Heilbronn, uma vitória no quali.

Um pouco da carreira – O mineiro João Menezes, 24 anos, nascido em Uberaba, começou no tênis aos seis anos, influenciado pela família, levado pelo pai, que jogava, a dar as primeiras raquetadas. E foi se interessando mais e mais, seguindo na carreira, como juvenil e, depois, desde 2014, como profissional.

Entrou no circuito ITF aos 16 anos, alcançando a 21ª colocação mundial entre os juvenis. Em 2014, em parceria com Rafael Matos, foi vice-campeão da chave juvenil de duplas do US Open. Jogou também as chaves juvenis de Roland Garros e Wimbledon. E ficou com o vice-campeonato do Banana Bowl.

Menezes têm cinco títulos Future e a primeira conquista no circuito Challenger veio em 2019, em Samarkand, no Uzbequistão, no mês de maio. Representou o Brasil por duas vezes em Jogos Pan-Americanos: em Toronto 2015 – oitavas de final – e em Lima 2019, voltando do Peru com a medalha de ouro e com a vaga para os Jogos Olímpicos de Tóquio.

Seu melhor ranking na carreira foi a 172ª posição, alcançada em fevereiro de 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo