Descarrilamento de trem deixa 11 mortos e mais de 90 feridos no Egito

Um trem de passageiros descarrilou na manhã deste domingo (18) na província de Qaliuba, no Norte do Cairo, capital do Egito, causando a morte de pelo menos 11 pessoas e deixando mais de 90 feridos. As causas do acidente ainda são desconhecidas, mas já estão sendo apuradas.

Um descarrilamento de trem deixou 11 mortos e mais de 90 feridos no Norte do Cairo, capital do Egito na manhã deste domingo (18) — Foto: Mohamed Abd El Ghany/Reuters

De acordo com informações das principais agências internacionais de notícias, equipes de emergência e das polícias foram mobilizadas e enviadas para o local, que foi isolado. Áreas próximas precisaram ser interditadas devido ao risco de movimentação dos vagões.

Ao todo, oito vagões descarrilaram e as equipes de resgate precisaram de 55 ambulâncias para socorrerem todos os feridos, que foram levados para vários hospitais do país.

A polícia local prendeu provisoriamente o engenheiro-chefe da locomotiva, o assistente do engenheiro, e mais outras pessoas responsáveis pela operação ferroviária na região.

Acidentes de trens no Egito são frequentes, porque não existe manutenção das linhas férreas, dos vagões, das locomotivas e dos equipamentos em geral.

Um descarrilamento de trem deixou 11 mortos e mais de 90 feridos no Norte do Cairo, capital do Egito na manhã deste domingo (18) — Foto: Mohamed Abd El Ghany/Reuters

A precariedade de suas infraestruturas e a manutenção insuficiente colocam em risco a população local e milhares de turistas estrangeiros que frequentam o país anualmente.

Em março deste ano, cerca de 32 pessoas e 66 ficarem feridas em decorrência de uma colisão entre dois trens na cidade de Sohag, no Sul do Egito.

O país possui um histórico de dezenas de acidentes rodoviários e ferroviários, muitos dos quais provocados pela falta de respeito as regras de trânsito e por possuir uma frota de veículos e trens obsoletos e em péssimo estado de conservação.

Com informações das Agências France Presse e Reuters

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo