Somos Todos João Alberto

Em imagens muito parecidas às que denunciam a violência psicótica de policiais que mataram George Floyd em maio deste ano, a opinião pública brasileira, na véspera do Dia Nacional da Consciência Negra, é tomada de perplexidade pelo surto assassino de “seguranças” (sic) do Supermercado Carrefour em Porto Alegre que levou à morte, em menos de seis minutos, João Alberto Silveira de Freitas.

As trágicas imagens flagradas na véspera do Dia Nacional da Consciência Negra deste ano em Porto Alegre põem por terra todos os argumentos hipócritas da “democracia racial”. Estão na gênese do Estado brasileiro ─ como de resto todos os Estados decorrentes das igualmente criminosas colonizações hispânica, inglesa, francesa, holandesa e belga ─ as causas da desumanização do africano escravizado e de sua coisificação. Ou teriam se esquecido de que negros e índios “não tinham alma”? E que a hegemonia econômica e “civilizatória” europeia foi conquistada ao custo de um voraz genocídio superior a 100 milhões de vidas africanas, além da total desestruturação das sociedades ancestrais da África, reduzidas entre os séculos XVI e XIX (na verdade até hoje, pleno século XXI) a centro provedor de um rentável negócio, o comércio escravista que encheu de dinheiro a Inglaterra, França, Holanda, Bélgica… (não por acaso, junto com a Espanha e Portugal, metrópoles coloniais enriquecidas também com as riquezas locais, entre elas ouro, prata, pau-brasil, esmeraldas, cana-de-açúcar…).

Tão inconsistentes quanto a narrativa negacionista de hoje ─ feito diarreia fétida a ser expelida como rajadas de metralhadora de milicianos cada vez mais poderosos e bem representados nas diversas esferas de poder ─, os argumentos de que a “indolência” dos povos originários foram a causa do criminosamente rentável comércio de escravizados (aliás, origem do capitalismo, em sua fase chamada mercantilista, metalista e outras caracterizações transitórias). Reitero: tudo isto está na essência do Estado que somente no século XX, graças a muita luta de gerações generosas que deram seus melhores dias para a construção do Estado Democrático de Direito, como consignado na Constituição Federal de 1988.

Não nos esqueçamos, porém, de que há uma reduzidíssima minoria, hoje muito poderosa ─ porque subitamente guindada ao poder graças a um golpe malsucedido gestado por ex-democratas, se assim pudermos denominá-los, na ânsia de retornar ao poder por meio de atalho, e que acabaram por entregá-lo a um lobo solitário, verdadeiro predador dos valores democráticos ─, que tem ojeriza por tudo aquilo que foi construído entre 1985 e 2016. Se Ulysses Guimarães, Teotônio Vilela, Tancredo Neves, Franco Montoro, Leonel Brizola, Darcy Ribeiro, Mário Covas, Florestan Fernandes, Freitas Nobre, Alencar Furtado e Marcos Freire, entre outros/as não menos importantes, estivessem vivos, figuras como obtusas como Aécio Neves, José Serra, Geraldo Alckmin, Roberto Freire, Tasso Jereissati e Fernando Henrique Cardoso jamais teriam consumado a desestabilização política que, entre 2014 e 2016, criou as condições para o golpe travestido de impeachment.

E por que, afinal, a violência desproporcional vem se multiplicando em todas as regiões do País? Ao contrário do negacionismo cúmplice e cínico de agentes políticos que hoje galgaram importantes cargos federais, a “caixa de pandora” aberta para dar o golpe em 2016 disseminou e multiplicou os mais retrógrados conceitos (aliás, preconceitos) que se remetem aos séculos XV, XVI e XVII (período anterior ao Iluminismo): quando os porta-vozes dessas hordas néscias criminosas negam e renegam tudo o que lhes incomoda, não fazem mais que reconstruir o maniqueísmo inquisitorial, o pérfido dualismo do “bem” contra o “mal” (obviamente eles são o “bem”, e tudo o que se contrapuser é o “mal”).

Não duvide o/a leitor/a de que eles são a reencarnação dos funestos seres da Inquisição, tanto que a Bíblia, em sua leitura fundamentalista (tanto quanto a Torá e o Alcorão, também pelo viés fundamentalista), cumpre essa mesma função. Lembram-se, um ano atrás, na “assunção” da golpista Jeanine Áñez Chávez como “presidenta” da Bolívia, seu juramento (ou teria sido perjúrio?) foi sobre a Bíblia, e não sobre a Constituição Política do Estado Plurinacional da Bolívia, em plena vigência? O governo nazissionista de Ben Netanyahu e os governantes wahabitas e hashemitas de Saud e Hussein fazem o mesmo, sobre a Torá e o Alcorão. Com o aval do império decadente de… Donald Trump, que não reconhece a vontade popular e quer se impor como um Nero em pleno século XXI.

A trágica morte do brasileiro ─ com virtudes e defeitos, como todos os seres humanos ─ João Alberto Silveira Freitas, 40 anos, afrodescendente, pai de quatro filhos, filho, marido e torcedor do São José do Rio Grande do Sul, diante de sua Companheira e às vistas de muitos que se omitiram, por “seguranças” (sic) de um dos supermercados Carrefour de Porto Alegre, escancara uma das maiores feridas da sociedade brasileira: o racismo estrutural, que, somado à injustiça social tão secular quanto aquele, ameaça a sobrevivência do Estado Democrático Brasileiro, duramente construído ao longo de todo o século XX por gerações generosas de brasileiros muitos dos quais já eternizados.

Destemperos daquele que deveria agir como estadista (e desde que tomou posse não age como tal) à parte, mexer na ferida é, sim, urgente e necessário, gostem ele e sua horda de seres anacrônicos e bizarros. Somos todos João Alberto. Somos todos Marielle Franco e Anderson Santos. Somos todos Marçal de Souza, o Tupãí covardemente assassinado em 1983 por essa gente “de bens” que incendeia as matas, mata índios e posseiros e hoje, mais “empoderada” que nunca, apoia os inimigos da democracia, em nome da “tradição, da família e da propriedade”. Como em 1964, 1937, 1889, 1822 e 1500. Como sempre.

Só que enquanto houver cidadãos/ãs com consciência, sejam eles/as afrodescendentes, originários/as, trabalhadores/as, intelectuais ou livre-pensadores/as, a história seguirá sua inexorável marcha evolutiva rumo a uma sociedade mais justa, fraterna e solidária. E, sim, o lixo, de onde tais hordas costumam sair, será o destino desses seres bizarros e anacrônicos, travestidos de ovo da serpente do fascismo, do racismo ou do machismo.

*Ahmad Schabib Hany

 

Como de hábito, deixo o link do blogue no qual postei, “O caminho se faz ao caminhar”: https://schabibhany.blogspot.com/2020/11/somos-todos-joao-alberto.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo