Cresce o número de empresas que investem no bem-estar emocional dos colaboradores

A gestão das emoções ajuda indivíduos em várias áreas, inclusive no desempenho de suas atividades.

O bem-estar emocional tem ampliado seu espaço no mundo corporativo mesmo antes da pandemia. Uma pesquisa realizada pela consultoria Mercer Marsh, em 2019 já mostrava que 49% das grandes empresas brasileiras investiam em iniciativas para o bem-estar emocional de suas equipes. Apesar das dificuldades pós covid-19, essa é uma prática que continua em expansão e agora também é procurada pelas médias e pequenas empresas como uma maneira de manter a equipe engajada e produtiva.

Foto: Divulgação

Segundo o levantamento, dentre as ações mais ofertadas nessas corporações, estão a massagem (53%), assistência ao empregado (49%), salas de descompressão (28%), meditação (17%) e atendimento psicológico (16%).

Neste último, elementos importantes fazem parte do contexto: auxiliar sua equipe na resolução de alguns desgastes emocionais, ali mesmo no ambiente de trabalho, ajuda a evitar que se eles tornem transtornos e, consequentemente, mantém a produtividade da empresa.

Em Campo Grande essa realidade também tem ganhado espaço, em momentos que proporcionam mais diálogo entre as equipes e uma atenção especial a todos os aspectos que envolvem a vida de um colaborador.

A terapeuta integrativa, Shamdaki, vem trabalhando nessa abordagem em conjunto com empresas que têm apostado em momentos que vão além do feedback, atuando como apoio no desenvolvimento emocional de suas equipes.

Algumas situações são bastante pontuais, desalinhamentos pessoais que desgastam o colaborador, que sem apoio, não consegue se desvencilhar desses momentos de tensão, que viram transtornos e, em algum momento impactam negativamente todas as áreas de sua vida”.

A terapeuta explica que, quando realizados momentos de troca, o indivíduo tem a oportunidade de olhar para si e a busca pelo autoconhecimento, pelo gerenciamento de suas emoções. Esse trabalho no ambiente corporativo é a base para qualquer relação: comunicação e, também o primeiro passo para o desenvolvimento emocional.

Não existe um escopo fixo para a realização desse trabalho, porém o primeiro passo é identificar o problema recorrente na empresa, após, entender como cada indivíduo se sente em relação ao assunto e em seguida, descobrir as crenças dele, em relação a ele mesmo e aos demais do grupo, assim, entregamos ferramentas para que ele seja capaz de gerenciar suas emoções. A empresa só tem a ganhar, tendo em vista que o bem-estar emocional é a chave para a prevenção do adoecimento físico”.

E, nesse sentido é importante que a mudança dessa cultura no meio empresarial ocorra de forma integral, já que a maioria das ações desenvolvidas são reativas e não preventivas. Esse cuidado com os aspectos emocionais do colaborador é decisivo na prevenção de doenças físicas e, consequentemente o tratamento das enfermidades também deve ser integrativo, como explica o médico acupunturiatra, Dr. Max Henrique Bortotto Garcia.

 “As enfermidades do corpo são facilmente agravadas por nossas fragilidades emocionais. Principalmente em tratamentos tradicionais, como a milenar acupuntura, a evolução física do paciente precisa estar atrelada ao seu bem-estar psicológico. Em minha rotina, atendendo a diversos casos resultantes de desgastes laborais, é imprescindível uma nova postura corporativa”.

Trabalhar o bem-estar emocional no ambiente corporativo ainda está longe de ser parte dos pilares da maioria das empresas, entretanto dar o primeiro passo já as coloca no caminho dessa mudança de percepção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo