Tufão atinge as Filipinas e deixa um rastro de destruição e mortes

O Tufão Phanfone, que atingiu o Centro das Filipinas na noite de terça-feira (24), deixou um rastro de destruição e mortes na véspera do Natal. Até o momento foram confirmadas a morte de 16 pessoas, o desaparecimento de outras 12 pessoas, e o número oficial de desabrigados é de 53 vítimas.

De acordo com informações das principais agências internacionais, o tufão atingiu as Filipinas com ventos de até 120 km/h, sendo que em algumas regiões as rajadas chegaram a atingir os 150 km/h.

O Tufão Phanfone atingiu as Filipinas na última terça-feira (24) e deixou um rastro de destruição e mortes no país — Foto: Paul Cinco/Via Reuters

A Agência de Desastre Natural das Filipinas informou que as chuvas foram torrenciais entre a noite de quarta-feira (25) e a madrugada desta quinta-feira (26), e que elas provocaram alagamentos e inundações, destelhamentos de casas, quedas de árvores, placas de sinalização e semáforos.

Ao todo, 58 mil pessoas tiveram que ser retiradas de suas casas, tendo todas sido levadas para abrigos e/ou casas de parentes e amigos. Vários imóveis ficaram danificados e/ou foram totalmente destruídos.

Estradas e rodovias foram fechadas, assim como rodoviárias e aeroportos. Várias pessoas permanecem ‘presas’ nos portos do país, depois que o transporte por balsas foi suspenso.

Dezenas de voos foram cancelados e não há previsão para a normalização dos serviços e para a abertura dos aeroportos no país.

As mortes aconteceram nas províncias de Capiz, Iloilo e Leyte. Um jovem de 13 anos morreu eletrocutado, e um homem de 45 anos morreu depois de ser atingindo por uma árvore, que desabou sobre ele. Um rapaz de 27 anos morreu em um acidente de trânsito.

O Tufão Phanfone já deixou as Filipinas e está se dirigindo para o Mar da China, se locomovendo para o Oeste. As autoridades chinesas já emitiram o alerta.

Cerca de 20 tufões atingem as Filipinas e o Mar da China a cada ano, porém as tempestades estão se tornando mais violentas nos últimos anos.

Com informações das Agências France Presse e Reuters

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo