Debate indica a potencialização genética como futuro da agropecuária tropical

Debate reuniu técnicos e convidados no centro de eventos do Hotel Royal Palm Tower em Indaiatuba, SP (Fotos: Ariosto Mesquita)

Temperaturas um grau centígrado em média mais alta nos últimos anos estão exigindo desenvolvimento de novas opções de cultivares adaptadas a ambientes de alta variação térmica, em geral mais quentes e secos.  Debate ocorrido nesta quarta-feira (11.12) pela manhã, durante a programação da Agri Contech, em Indaiatuba, SP, apontou que este caminho deve ser seguido não só pela agricultura, mas também pela pecuária de corte, de leite e outras cadeias produtivas tropicais.

De acordo com Jean Landivar, diretor da Agricomseeds, multinacional latino-americana produtora de sementes, a genética tem de se adaptar a uma realidade de aquecimento global. “Este é o grande desafio das atividades produtivas rurais nos trópicos”, observa. Ele cita como exemplo, o desempenho do milho em diferentes ambientes, como no Brasil, onde a produtividade dificilmente ultrapassa a casa de seis toneladas (t) por hectare (ha) enquanto a Argentina registra em torno de 8 t/ha e os EUA atingem perto de 11 t/ha.

Debate reuniu técnicos e convidados no centro de eventos do Hotel Royal Palm Tower em Indaiatuba, SP (Fotos: Ariosto Mesquita)

Pensando neste aspecto, a empresa, com sede em Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, e presente em 14 países, pretende aumentar a oferta e apresentar novas cultivares de milho e sorgo, com propriedades das mais diversas, e não transgênicas. Dentre eles híbridos rústicos e tolerantes a estresse hídrico, grãos de maior tamanho e espigas com maior número de fileiras em relação ao milho convencional. A tecnologia Leadgrain, por exemplo, já é disponível no Brasil e permite o desenvolvimento de espigas com 50% a mais de fileiras de grãos (de 16 para 24 linhas).

O debate durante a Agri Contech, que reúne até agora técnicos e representantes da Agricomseeds e convidados de cinco países (Brasil, Paraguai, Colômbia, Bolívia e Uruguai.), apresentou relatos de experiências de utilização da tecnologia boliviana (sorgo e milho) para diversos fins pelo Brasil. Dentre eles na oferta de volumoso para bovinocultura de corte, cobertura (palhada) para a agricultura, na melhoria da qualidade do solo, na produção de energia e até mesmo na fruticultura (estruturação de áreas para cultivo de melão). Também começa a ser estudada a possibilidade de uso do sorgo gigante boliviano (Agri 002E) para o pastejo direto de bovinos.

O Agri Contech está sendo realizado esta semana em duas sedes. Até esta quarta-feira (11.12) em Indaiatuba, SP e dias 12 e 13/12 (quinta e sexta) em Leme, SP, mais precisamente no Campo de Demonstração da Agricomseeds, onde ficam áreas experimentais cultivadas com dezenas de variedades de milho e sorgo. A organização é da Latina Sementes, subsidiária do grupo boliviano para os mercados brasileiro e paraguaio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo