Desabamento de prédios deixa 3 mortos e dezenas de feridos no Rio

Dois prédios residenciais desabaram na manhã desta sexta-feira (12), por volta das 06h35min (horário de Brasília), na Região da Muzema, Zona Oeste do Rio de Janeiro, causando a morte de pelo menos três pessoas e deixando dezenas de outras feridas. O número de desaparecidos ainda é desconhecido.

De acordo com as primeiras informações, divulgadas agora a pouco pela Assessoria de Comunicação da Defesa Civil do Rio de Janeiro, as causas do desabamento ainda são oficialmente desconhecidas, mas já se sabe que os prédios foram construídos irregularmente, em Área de Proteção Ambiental (APA), e sem autorização da Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro.

Em nota, a Prefeitura do Rio de Janeiro informou que os dois prédios que desabaram foram interditados em novembro de 2018, e que ninguém poderia ocupar as duas edificações.

Foto: Reginaldo Pimenta / Agência O Dia / Cortesia

Dois três mortos, dois já foram identificados, sendo um homem e um menino. Todos os feridos estão sendo resgatados e encaminhados a hospitais da cidade.

Equipes das Polícias Civil e Militar, do Corpo de Bombeiros, do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e da Defesa Civil foram mobilizadas e enviadas para o local da tragédia, que se encontra isolado.

Logo após o desabamento, moradores próximos correram para ajudar no resgate das vítimas, tendo alguns feridos sido carregados por populares até estabelecimentos comerciais próximos.

Os prédios que desabaram ficavam localizados no Condomínio Figueira do Itanhangá. Um deles teria cinco andares e o outro, três andares. A comunidade atingida liga o Rio das Pedras ao Itanhangá, pela Estrada de Jacarepaguá.

Informações preliminares revelam que a região é dominada pela milícia, que estaria construindo prédios sem a mínima segurança e sem a devida autorização de um órgão público competente.

Em nota oficial, o Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro informou que as equipes foram acionadas por volta das 06h48min (horário de Brasília), e que 90 militares da corporação, de 12 quartéis, foram enviados para a região.

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), chegou ao local por volta das 08h15min (horário de Brasília), e assumiu o compromisso de investigar as causas dos desabamentos e punir severamente os responsáveis pela tragédia.

Equipes da Light, empresa concessionária de energia elétrica, também foram enviadas para o local. A energia elétrica na região foi suspensa.

Com informações das Agências Brasil e Estado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo