Diário na Venezuela – Episódio 3

André Sório – Foto: Ariosto Mesquita

“Não tem jeito. Vou começar o relato de hoje falando de comida, uma das coisas que gosto aqui na Venezuela e também na Colômbia.

Praticamente em todas as refeições você encontra:

                → Arepa: A base de milho, mas parece um pão de queijo que subiu na vida;

                → Llanero: Lembra um queijo caipira, pouco curado. O povo daqui sempre come ralado;

                → Carne desfiada.

Os cafés e os chocolates são muito bons.

Mas vamos continuar falando do setor produtivo do País.

Nesta quarta-feira (06.02.2019) o governo venezuelano retirou impostos e qualquer restrição à importação de lubrificantes. Com isso, aquela dificuldade que relatei no Episódio 1 deve diminuir. A decisão foi recebida com entusiasmo e acabou sendo o assunto do dia.

Estou fazendo um trabalho de consultoria para uma fazenda e laticínio no Estado Apure, no sudoeste do País. A propriedade possui uma área de 7.000 hectares, conta com bovinos de corte, 600 vacas em lactação e produz queijo e doce de leite. Como a hiperinflação geralmente prejudica o básico da vida dos habitantes com menos renda, a empresa rural resolveu custear toda a alimentação de seus 115 funcionários. São três cantinas servindo, em média, 500 refeições/dia.

Além de garantir energia e disposição para o trabalho, o custeio da alimentação também serve de estímulo para que o pessoal chegue mais cedo ao serviço. Como a estrutura fica próxima à cidade (a capital do Estado, San Fernando de Apure), quase toda a equipe reside na zona urbana.

A equipe é bem capacitada. Na gerência estão um engenheiro agrônomo e um médico veterinário experientes e inteligentes. Na chefia de operação estão dois agrônomos e dois engenheiros de produção, recém-formados. E por aqui não basta dar ordens. Todos têm de ralar bastante. Na fábrica (laticínio) boa parte dos funcionários é graduada.

Percebi que a equipe é superinteressada em aprender e, me atrevo a dizer, bastante comprometida com a melhoria da produtividade da empresa, que passou por um processo de sucessão consolidado há aproximadamente seis meses.

As sugestões que estou propondo – em termos de manejo de pasto, organização dos animais e uso de maquinário – estão sendo muito bem recebidas. Isso inclui questões complexas, relacionadas à direção da empresa. Sinceramente, achei que encontraria um pouco mais de resistência, tanto dos proprietários quanto dos funcionários.

No próximo episódio pretendo revelar algo que me surpreendeu bastante por aqui”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo