Fundo Juntos Pela Educação completa 15 anos de ações inovadoras

Ecomuseu 291 – Atividade no Ecomuseu de Maranguape (Foto Divulgação / Fundo Juntos pela Educação)

No dia 24 de agosto de 2004, Instituto Arcor Brasil, Instituto C&A e VITAE Apoio à Cultura, Educação e Promoção Social formavam oficialmente o Fundo Juntos pela Educação. Em 2019, quando a iniciativa completará 15 anos, o Fundo apresenta uma trajetória marcada por ações educacionais inovadoras, somando mais de 300 organizações abrangidas e milhares de crianças e adolescentes beneficiados.

Desde o princípio a ideia do Fundo era possibilitar a composição de recursos técnicos e financeiros dos parceiros investidores, para apoio a programas e projetos de interesse comum, compatíveis com a sua visão de educação. O propósito já era o de viabilizar ações educacionais inovadoras, com o investimento em áreas de menor visibilidade social.

A primeira iniciativa – Após vários estudos e muito debate, os parceiros constituidores decidiram que a primeira iniciativa do Fundo Juntos pela Educação seria o Programa pela Educação em Tempo Integral, contemplando o apoio a projetos envolvendo verdadeiras redes, constituídas por escolas públicas, organizações comunitárias e outros serviços públicos, como postos de saúde e unidades de CRAS. Juntos, os parceiros de cada projeto possibilitariam educação em tempo integral para crianças e adolescentes, em outros espaços além dos muros escolares.

Os territórios escolhidos para o campo de ação do Programa pela Educação em Tempo Integral foram o município de Campinas, no interior de São Paulo, e municípios da Paraíba. Após o processo de seleção, foram escolhidos nove projetos, ou nove redes em Campinas e nos municípios paraibanos de João Pessoa, Santa Rita e Lucena, sempre em territórios de alta vulnerabilidade social. Em três edições, o Programa pela Educação em Tempo Integral envolveu 134 organizações. A terceira edição abrangeu os projetos apoiados: Além das Letras, Pacto Sustentável e Comunidade Educativa e Novas Atitudes.Com, em Campinas; CRER-SER em Tempo Integral, Cata Aqui, Cata Acolá, Rede de Saberes, Roda, Rede! e Educação: (Com)Vivência Integral, na Paraíba.

Educação Integral – Entre 2011 e 2013 a iniciativa passou a ter o nome Programa pela Educação Integral, com foco no desenvolvimento integral, cognitivo, socioemocional e físico das crianças e adolescentes, e não apenas em termos de jornada ampliada para os alunos de escolas públicas parceiras. Agora passaram a ser apoiados projetos de articulação em rede em Pernambuco e no Ceará.

No Ceará foram apoiados os projetos Hora do Jogo e Caldeirão das Artes, no município de Horizonte; Nossas Histórias, em Fortaleza; e Ecomuseu de Maranguape, em Maranguape. Em Pernambuco tiveram apoio os projetos ‘Brincando com os Sons’, em Olinda; ‘Solidariedarte’, em Igarassu; e Construindo saberes e direitos através da educação integral, em Recife, tendo como proponente o Clube de Mães dos Moradores do Alto do Refúgio. Ao todo foram envolvidas 80 organizações.

Educação Infantil – Em 2014, nos dez anos do Fundo Juntos pela Educação, os parceiros discutiram e organizaram uma nova iniciativa e a escolha foi pela atuação na área da Educação Infantil. É o segmento do sistema educacional brasileiro com menor visibilidade e investimentos, mas com enorme impacto social em termos do desenvolvimento integral.

O Fundo Juntos pela Educação lançou então o Programa Primeiro a Infância – Educação Infantil como Prioridade. Foram escolhidos os municípios de Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe e São Lourenço da Mata para a implementação do novo Programa.

A intenção agora era contribuir com a educação infantil de qualidade nos três municípios, em sintonia com os respetivos Planos Municipais de Educação.  O Fundo Juntos pela Educação contratou a Oficina Municipal, de São Paulo, para a organização e implementação técnica do Programa Primeiro a Infância. A estratégia central foi utilizar como fio condutor a elaboração ou reelaboração do Projeto Político Pedagógico (PPP) das unidades de educação infantil nos três municípios. Foi empregada uma metodologia participativa, para tornar o PPP de cada escola um processo dinâmico, vivo, que resultasse no amplo envolvimento de toda a comunidade escolar no cotidiano da respectiva unidade.

 Este primeiro ciclo do Programa Primeiro a Infância foi executado entre 2015 e 2017, nos três municípios pernambucanos. A partir da metodologia desenvolvida em Pernambuco, um novo ciclo foi implementado em 2018, em seis municípios paulistas: Capivari, Mombuca, Monte Mor, Rafard, Rio das Pedras e Saltinho. Este segundo ciclo será encerrado com um encontro regional, em fevereiro, e um seminário final, em março de 2019, em Piracicaba.

Todas as unidades de educação infantil abrangidas pelo Programa Primeiro a Infância, em Pernambuco e São Paulo, construíram ou refizeram seus PPP, contemplando Planos de Ação com prioridades apontadas pelas comunidades escolares.

No geral, apenas o Programa pela Educação Integral representou o apoio a 24 projetos, envolvendo 214 organizações e beneficiando mais de 100 mil crianças e adolescentes em quatro estados. Foram realizados 30 encontros de troca de experiências e 40 oficinas técnicas de capacitação.

Muitas ações em rede construídas entre 2005 e 2013 continuam atuantes, como nos casos da Rede Novas Atitudes.Com, em Campinas, e da Rede Crer Ser, em João Pessoa. A expectativa é que as ações iniciadas no Programa Primeiro a Infância também tenham continuidade, nos três municípios pernambucanos e seis municípios paulistas que foram parceiros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo