Mauro Lima vai dirigir filme sobre o principal ladrão de livros raros do brasil

São Paulo (SP) – A Boutique Filmes, responsável pela primeira produção original da Netflix no Brasil, a série “3%”, está produzindo seu novo longa-metragem de ficção, “Ladrão de Livros”, que conta a história de Laéssio Rodrigues de Oliveira, considerado pelas autoridades brasileiras o principal ladrão de obras raras do país.

Com direção e roteiro de Mauro Lima (“Tim Maia” e “Meu Nome Não é Johnny”) e produção de Gustavo Mello Eduardo Piagge, as filmagens devem começar no final de 2019, e a película tem previsão de estreia em 2020.

Foto: Divulgação

Após lançarmos o documentário “Cartas Para um Ladrão de Livros”, em março de 2018, vimos que a história impactou o público, a imprensa e até as instituições públicas e privadas de arte. É uma história única, tipicamente brasileira e com um protagonista controverso. Um filme com vocação para entreter os espectadores, sem deixar de lado a relevância do tema”, conta Gustavo Mello, produtor da Boutique Filmes.

Laéssio é acusado de furtar bibliotecas em pelo menos cinco estados, à procura de obras de elevado valor histórico, artístico e econômico – de fotos da corte brasileira do século 19, passando pelos primeiros mapas do país feitos a mão, a gravuras assinadas por artistas europeus, como o alemão Rugendas.

Ao todo, Laéssio já passou mais de dez anos detido em penitenciárias de São Paulo e do Rio de Janeiro, e atualmente, responde em liberdade.

Recentemente, Laéssio fez uma denúncia por meio de envio de uma carta a um jornal brasileiro denunciando que uma instituição cultural privada estava expondo peças as quais ele havia roubado da Biblioteca Nacional. A Polícia Federal anunciou um termo de devolução dessas quatro peças roubadas à Biblioteca Nacional, que incluem:  três desenhos de Keller-Leuzinger e uma litogravura de Buvelot & Moreau.

Além de traçar um perfil da polêmica figura de Laéssio, a ficção promete revelar alguns segredos do ladrão de arte e papéis raros.

Mergulhei de cabeça na história de Laéssio, um balconista de padaria ambicioso, que se tornou o maior ladrão de obras raras de arte do Brasil. Ele foi tão longe, que, inclusive, chegou a exportar obras roubadas.  O filme deve soar uma combinação de filme de personagens ricos, com uma narrativa eletrizante e boas doses de um humor naturalista”, afirma Mauro Lima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo