Explosão deixa 50 mortos e 80 feridos em Cabul, no Afeganistão

Uma forte explosão, provavelmente causada por um atentado, deixou nesta terça-feira (20/11) 50 mortos e 80 feridos em Cabul, capital do Afeganistão. O número de vítimas fatais pode aumentar nas próximas horas, porque muitos feridos encontram-se em estado gravíssimo.

De acordo com as primeiras informações, divulgadas agora a pouco pelas principais agências internacionais de notícias, o atentado aconteceu em um evento religioso, e entre as vítimas há mulheres e crianças.

O porta-voz do Ministério do Interior do Afeganistão, Najib Danish, disse em entrevista coletiva, que o ataque foi idealizado e praticado por um jovem suicida, que entrou em um templo religioso com explosivos atados ao próprio corpo.

Policiais afegãos patrulham a aérea onde um atentado matou cerca de 50 pessoas nesta terça-feira (20/11) em Cabul, capital do país – Foto: Omar Sobhani/Reuters

Depois que entrou no recito, o jovem detonou os explosivos, pegando todos de surpresa. Há relatos de que muitas pessoas correram em direção as portas, e que algumas foram pisoteadas.

Equipes de resgate, policiais, paramédicos e membros das Forças de Segurança foram mobilizadas e imediatamente chegaram ao local do atentado, que foi isolado e cercado.

Todas as pessoas que estavam no templo religioso foram identificadas e liberadas. Os feridos foram socorridos e levados para hospitais da região.

Já os corpos das vítimas fatais foram recolhidos e colocados lado a lado em uma calçada, a espera de um veículo especial que os levaria para o necrotério de um hospital.

Equipes de resgate e paramédicos socorrem ferido no atentado desta terça-feira (20/11) em Cabul, capital do Afeganistão – Foto: Mohammad Ismail/Reuters

Buscas foram realizadas na região na tentativa de localizar possíveis cúmplices, mas ninguém foi localizado e/ou preso.

Testemunhas disseram que no templo estava acontecendo um casamento, e que muitos convidados ficaram gravemente feridos.

No local estavam autoridades, clérigos, acadêmicos e religiosos, que celebravam o nascimento do profeta Maomé.

Até o momento nenhum grupo assumiu a autoria do ataque. Grupos radicais como o Talibã e o Estado Islâmico costumam realizar atentados contra estudiosos de religiões, principalmente contra as pessoas que desejam se aprofundar nos estudos sobre o cristianismo.

Com informações das Agências Reuters e France Presse

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo