Fazenda de café certificada pela Starbucks é flagrada com trabalho escravo

Em Minas Gerais, 18 trabalhadores rurais foram resgatados pelo Ministério do Trabalho de fazenda que tinha dois dos mais prestigiados de selo de qualidade do mundo. Vivendo em alojamentos coletivos sem água tratada, eles trabalhavam de segunda a segunda sem receber pelos feriados ou domingos trabalhados. “Tinha muito morcego e rato. A gente comprava comida e os ratos comiam”, diz uma ex-trabalhadora da fazenda.

Ação resgatou trabalhadores em situação análoga à escravidão em fazendas de café no interior de Minas Gerais; uma delas tinha certificações internacionais (Foto: Adere)

A fazenda Córrego das Almas tinha o selo UTZ, suspenso após questionamentos da Repórter Brasil, e a certificação C.A.F.E. Practices, selo da Starbucks em parceria com SCS Global Services. A Starbucks disse que não comprou da fazenda e que a sua certificadora vai investigar o caso.

Continue lendo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo