Galeão San José, afundado em 1708, é encontrado no litoral da Colômbia

Acredita-se que a bordo do navio exista um tesouro avaliado em 17 bilhões de dólares.

Fotos: Divulgação

Mergulhadores, historiadores e arqueólogos conseguiram localizar no litoral da Colômbia os destroços do Galeão San José, cujo naufrágio aconteceu em 08 de junho de 1708. O navio foi afundado por uma esquadra britânica.

De acordo com informações das principais agências internacionais de notícias, o navio foi localizado na Península de Baru, na Colômbia, no fim de 2015, mas a informação somente foi divulgada essa semana.

Trata-se de uma descoberta valiosíssima, não somente pela carga de ouro, prata e esmeraldas que transportava, mas principalmente pelo valor histórico, já que a embarcação se encontra no fundo do mar há pelo menos 310 anos.

Especialistas acreditam que o valor deste tesouro possa chegar a US$ 17 bilhões, o equivalente ao Produto Interno Bruto (PIB) de Moçambique, um país africano.

Fotos: Divulgação

O valor estimado deste tesouro é 34 vezes maior que o segundo mais rico naufrágio já descoberto e resgatado do fundo do mar, o Nuestra Señora de Las Mercedes, localizado em 2007, e que rendeu cerca de US$ 500 milhões em artefatos recuperados.

Historiadores ouvidos pela equipe de reportagem disseram que o Galeão San José foi afundado por uma esquadra britânica na Ação de Wagner, em unho de 1708. Na época, se vivia a Guerra de Sucessão Espanhola, na qual houve uma disputa pelo poder após a morte do Rei Carlos II, que não deixou herdeiros.

As famílias Bourbon e Habsburgo entraram em guerra declarada pelo poder na Espanha.

A Inglaterra, o Sacro Império Romano-Germânico, a República Holandesa e Portugal apoiavam os Habsburgo. Já a França apoiava o os Bourbon, a quem pertencia o navio.

Fotos: Divulgação

Dos 600 tripulantes do San José, apenas 11 sobreviveram ao naufrágio, tendo os demais indo a fundo com a embarcação e o tesouro pilhados das colônias espanholas.

Os arqueólogos, historiadores e pesquisadores usaram o submarino Remus 600, o mesmo utilizado para encontrar, em 2011, os destroços do Airbus A330 do voo 447 da Air France, que caiu próximo ao arquipélago de São Pedro e São Paulo, em Pernambuco, no Brasil.

A expedição que possibilitou a descoberta do Galeão San José foi patrocinada pela Instituição Oceanográfica Woods Hole, dos EUA, com autorização das autoridades locais.

Fotos: Divulgação

O governo da Colômbia autorizou a ação com a condição que tudo fosse mantido em segredo até o término dos trabalhos. Ainda resta a saber quem é oficialmente o proprietário deste tesouro, que ainda precisa ser recuperado e avaliado.

A Organização das Nações Unidas (ONU) pediu ao Governo da Colômbia para não explorar o naufrágio comercialmente. A Espanha já mostrou interesse em reivindicar parte do tesouro, já que o galeão era sua propriedade.

Por enquanto, a localização e a profundidade exata onde está localizado os destroços do Galeão San José não serão reveladas e o naufrágio continua sendo um segredo de Estado.

Com informações das Agências Reuters, France Presse e Associated Press

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Topo